Vasco joga 'pela honra' contra o Santos

Com salários em atraso frequentemente, insatisfação no elenco é geral

LANCEPRESS! - 14/10/2012 - 06:30 Rio de Janeiro (RJ)

Felipe - Vasco (Foto: Cleber Mendes)

O nível de insatisfação do elenco com os salários atrasados já se tornou público e, para piorar, o Vasco chega para o confronto com o Santos, neste domingo, às 16h, na Vila Belmiro, com transmissão em tempo real pelo LANCENET!, sem o principal jogador, Juninho, que, com dores musculares, está vetado pelos médicos.

Com a paciência esgotada diante das promessas não cumpridas da diretoria, o elenco, considerado pelo próprio Reizinho como “heroico”, joga pela honra, mirando uma vaga na Copa Libertadores, que pode significar um divisor de águas para um até então sombrio 2013.

Um dos líderes da equipe, o goleiro Fernando Prass garantiu que o torcedor pode esperar comprometimento mesmo diante do quadro:

– Todo mundo aqui quer seus direitos, mas o grupo está comprometido. Desse grupo aqui se pode esperar comprometimento. Agora, quem está vendo de fora eu não posso falar, porque nós não sabemos qual a real visão que as pessoas têm.

Por ironia do destino, no adversário da vez, o Santos, há o único jogador que resolveu se rebelar diante da falta de cumprimento dos compromissos do clube de São Januário, o apoiador Bernardo, que, por conta de uma cláusula contratual – está emprestado pelo Gigante da Colina – não poderá atuar logo mais.

– Só teve um caso de jogador que entrou na Justiça para se liberado. Tinham mais de 30 na mesma situação. Ele (Bernardo) estava no direito dele e teve a posição dele de querer ser negociado – analisou Prass.

De fato, o torcedor não tem do que se queixar. Já na Copa do Brasil, no ano passado, a questão dos salários era um problema recorrente. De lá para cá, disputou o título de praticamente todas as competições que participou e se mantém a 54 rodadas no G4 do Brasileiro. Porém, em todo caso, nada como uma vitória para, pelo menos, “maquiar” os problemas.

– Quando perdemos, algumas coisas ficam expostas, com as vitórias essas coisas não são externadas – analisou o camisa 1.

Você comentarista: