Grupo americano peita gigantes de olho no topo das marcas de material esportivo do país

Empresa chegou ao Brasil em março deste ano e aposta no país para chegar ao faturamento de US$ 4 bi até 2016

Marcelo Resende - 07/04/2014 - 08:04 Rio de Janeiro (RJ)

Bruno Abilel, diretor de marketing da Under Armour no Brasil (Foto: Divulgação)

A Under Armour chegou ao Brasil em março, com a dura missão de entrar num mercado de material esportivo já concorrido, que conta com a participação de empresas mundiais, como Adidas, Nike e Puma, além de outras de portes menores, como Penalty e Topper, por exemplo.

A empresa, fundada em 1996, vê seu faturamento crescer a cada ano. Segundo a fornecedora, em 2011, a marca faturou R$ 3,3 bilhões, em 2012 foram mais R$ 4,1 bilhões e em 2013 chegou aos R$ 5,2 bilhões. Um aumento de quase 60% entre 2011 e o ano passado.

Estes números puderam ser alcançados com a presença em 60 países ao redor mundo, mais de 100 lojas próprias nos Estados Unidos, além de pontos de venda na China, Canadá e México. Até 2016, a meta da Under Armou é atingir R$ 9 bilhões de receita. E é por este objetivo que a empresa americana, visando sua expansão, decidiu entrar no Brasil.

- O lançamento da marca Under Armour no Brasil é mais um passo importante visando atingir os nossos objetivos de expansão internacional e dar continuidade ao nosso crescimento pelo mundo - anunciou Kevin Plank, CEO da Under Armour, no lançamento da empresa no país em evento realizado em São Paulo, no último mês.

Para saber um pouco da estratégia de atuação da empresa no Brasil, o L!Bizz entrevistou Bruno Abilel, diretor de marketing da Under Armour no país. Confira!

LANCE!Bizz: Qual o faturamento anual da Under Armour no mundo?

Bruno Abilel: A Under Armour faturou em 2013 US$2,33 bilhões. A marca espera dobrar a receita até 2016, atingindo R$ 9 bilhões. A expansão internacional, que inclui nossa chegada ao Brasil, é uma das nossas principais estratégias para atingir esse número.

L!Bizz: Em relação a 2012 e 2013, qual foi o resultado financeiro da marca?

B.A.: A empresa cresce continuamente desde sua fundação com resultados consideráveis. Nossos números nos últimos três anos foram R$ 3,3 bi em 2011, de R$ 4,1 bi em 2012 e R$ 5,2 bi em 2013. Temos acompanhado o aumento da procura dos nossos produtos, não apenas nos Estados Unidos mas também mundo afora.

L!Bizz: Quais as principais estratégias a serem adotadas para conquistar a confiança do consumidor brasileiro, que já conta com produtos da Nike, Adidas, Puma, Mizuno, entre outras?

B.A.: Exatamente por conta deste mercado esportivo consolidado que nós estamos entusiasmados com a oportunidade. O consumidor brasileiro está sedento por uma nova alternativa, e tendo em vista o sucesso da marca nos EUA. A alta qualidade e alto nível de inovação de nossos produtos e de nossa comunicação nos diferenciarão da concorrência.

L!Bizz: Por que escolher o Brasil para investir?

B.A.: O Brasil está entre as principais potências econômicas mundiais atualmente, assim como a Under Armour que também vive um ótimo momento de crescimento. Pensando nisso, a empresa está apostando suas fichas no país e queremos impactar o mercado nacional com a nossa chegada.

L!Bizz: Os grandes eventos esportivos (Copa-2014 e Olimpíadas-2016) foram preponderantes para entrar no Brasil?

B.A.: O Brasil tem uma ligação muito forte com o esporte, o povo brasileiro já nasce apaixonado e esportista, independente da modalidade. Esse foi o principal fator na decisão de começar o trabalho aqui. Claro que sediar os dois maiores eventos do segmento é um ponto a mais para a nossa chegada, já que temos produtos que atendem todos os perfis, mas estamos aqui para ficar e investir por longo prazo, inclusive após os grandes eventos esportivos.

L!Bizz: A marca está presente em mais de 60 países, conta com 100 lojas próprias nos Estados Unidos, China, Canada e México. Nos outros países, como funcionam as vendas, sem as lojas próprias?

B.A.: Em países onde não temos lojas próprias fazemos nossa distribuição através da venda por atacado para varejistas locais, com suporte de subsidiárias da marca ou de distribuidores parceiros. Nós temos mais de 20 mil pontos de vendas espalhados pelo mundo com este perfil. Aqui no Brasil começamos com 70 pontos de vendas atendidos via atacado. Também estudamos a opção de parceiros para a fabricação dos produtos em território nacional.

L!Bizz: Há possibilidades de lojas próprias no Brasil? Como será feita a venda inicial? Quando os produtos estarão disponíveis para o consumidor?

B.A.: Sim, nosso projeto é abrir três lojas, entre conceito e outlets, entre São Paulo e Rio de Janeiro, já no segundo semestre de 2014. Estamos com uma extensa linha de produtos masculinos e femininos que somam 365 itens (entre modelos e cores), destacando dois produtos em especial: a camiseta ArmourVent e o tênis SpeedForm Apollo.

L!Bizz: Quais as plataformas (running, por exemplo) que a Under Armour vai focar no Brasil?

B.A.: Neste primeiro ano nós focaremos em training e running porque acreditamos que todo atleta, independente da especialidade, precisa de treinamento e condicionamento físico. Queremos estar entre as três principais marcas do mercado esportivo brasileiro em cinco anos, e para isto queremos estar presente em outras modalidades-chave neste perído – em especial o futebol.

L!Bizz: Quais as estratégias de marketing da fornecedora?

B.A.: Estamos com vários projetos em andamento e felizes com a maneira que a empresa está chegando ao Brasil. Estamos no início da operação e, até por questões estratégicas, vamos comunicá-los em breve.

L!Bizz: Quais os investimentos da Under Armour no esporte hoje?

B.A.: Entre os atletas de elite que fazem parte do time UA estão o lutador canadense de MMA campeão da categoria meio-médio no campeonato internacional UFC, Georges Saint-Pierre; o triatleta renomado Chris McCormack, o Macca; o nadador Michael Phelps; a esquiadora Lindsey Vonn; o NBA All-Star Stephen Curry; bem como os clubes de futebol Tottenham Hotspur, da Inglaterra, Colo-Colo, do Chile, e os mexicanos Cruz Azul e Toluca.

L!Bizz: Há a intenção de patrocínios a clubes brasileiros (de futebol, vôlei, basquete etc.) e atletas?

B.A.: A Under Armour acredita nos clubes e nos atletas nacionais, mas até o momento não há qualquer concretização de um possível patrocínio. Está nos planos da empresa investir no mercado brasileiro e também apoiar os principais nomes. Assim que tiver algo concreto, nós anunciaremos. Recentemente fomos especulados no Vasco, mas adianto que não há qualquer negociação em andamento.

L!Bizz: O que os brasileiros podem esperar da Under Armour?

B.A.: Os brasileiros podem esperar da Under Armour uma alternativa, uma marca verdadeiramente diferente em tudo que faz: em seus produtos, em sua comunicação, na maneira em que se relaciona com seus consumidores e parceiros. A nossa missão é fazer todos os atletas melhores através da paixão, design e busca incansável pela inovação. Queremos que todos os consumidores brasileiros acreditem que têm um atleta dentro de si, e nós estamos aqui para apoiá-lo. Não importa qual esporte pratiquem ou mesmo qual tipo de treino ou exercício adotam.

E MAIS:
> Parceria da Adidas com clubes brasileiros incrementará lançamento de novas camisas
> 'O marketing esportivo é estratégico para o avanço da marca', afirma executivo da Gillette
> 'O maior legado da Copa é a cultura de investimento no esporte', prevê executivo de agência
> Bundesliga: L!Bizz publica série especial sobre a liga de maior crescimento nos últimos anos

Você comentarista: