Franck Assunção: 'Me deixem trabalhar'

Novo diretor executivo do Vasco pede paciência e rebate suspeitas sobre sua vida profissional

Alexandre Araújo
Rodrigo Ciantar
- 10/03/2012 - 06:05 Rio de Janeiro (RJ)

Franck Assunção (Foto: Gilvan de Souza)

Quem é Franck Assunção? A pergunta foi feita na quinta-feira, durante sua apresentação como novo homem-forte do futebol do Vasco, e permaneceu no ar durante todo o dia desta sexta-feira. E a resposta custou a aparecer.

De empresários ligados ao futebol a pessoas do clube. O nome do dirigente, de 35 anos, é uma grande novidade. Quem é ele? Com essa pergunta, a maioria das pessoas ouvidas responderam ao LANCENET!

Entre as histórias ouvidas, surgiram revoltas com a tentativa fracassada de negociação de Vieri com o Boavista e o Botafogo-SP, além de dúvidas quanto ao trabalho feito no Ascoli (ITA) e no Chiasso (SUI). Representantes ligados aos clubes chegaram a garantir que desconhecem tal dirigente.

No fim da noite, Franck acabou respondendo a uma das inúmeras ligações feitas pelo LANCENET!. Questionado sobre tais situações, o dirigente se mostrou surpreso com tanta repercussão. Em sua defesa, garantiu ter trabalhado no Ascoli e no Chiasso e pediu tempo para mostrar seu trabalho no clube. E tentou dizer, afinal, quem é Franck Assunção.

– O Roberto (Dinamite) me convidou para ser diretor de relações internacionais, já que tenho uma boa relação na Europa, e melhorar o fluxo de gestão. Tem muita gente pegando no meu pé que talvez não tenha entendido. Mas peço que me deem tempo para trabalhar – disse.

No Vasco, além de Roberto Dinamite e José Hamilton Mandarino, mais ninguém sabia da chegada de Franck Asssunção, tampouco de quem se tratava. Tanto é que, nesta sexta-feira, antes do treino, Daniel Freitas se reuniu com o elenco e pediu aos jogadores que aguardassem no vestiário ao término das atividades para que o novo diretor fosse apresentado.

Por falar em Daniel Freitas, o dirigente garante que não ficou incomodado com a chegada de Franck, mas também não sabia do acerto até um dia antes de sua apresentação.

Internamente, com dúvidas surgindo quanto ao trabalho de Franck, a diretoria já precisou enfrentar certa pressão, mas mantém confiança. A oposição garantiu que vai cobrar explicações e Eurico Miranda publicou carta dizendo que a chegada do dirigente faz parte do processo de venda do clube.

BATE-BOLA
Franck Assunção
Novo diretor executivo do Vasco

Surgiram informações de que você não teria trabalhado no Ascoli (ITA) e no Chiasso (SUI)...
Mas trabalhei em ambos. É só perguntar para as pessoas certas. Fiquei seis meses como consultor no Chiasso. Sou amigo do dono do clube. É um grande amigo. Depois, fui trabalhar no Ascoli em conjunto com Armando Ortoli, como diretor esportivo, durante dois anos.
Poucos me conhecem aqui. É normal, eu estava na Itália. Comecei como sócio de um restaurante que muitos jogadores frequentavam. Aí passei a ser agente.

Voltou ao Brasil por que?
Por causa do convite do Roberto. A mídia está me massacrando. Não sei de onde vocês tiraram um monte de coisas. Mas faz parte.

E o que exatamente você vai fazer no Vasco?
Esse fluxo de gestão... Também buscarei patrocínio internacional, parceiros de fora do país, pois tenho contatos lá. E, claro, contratar jogadores. Temos que trazer um atacante para o lugar do Tenório e já estou buscando isso.

Já tem nome em pauta?
Se você já tiver algum nome, posso tentar. Se quiser indicar. Vou para a Europa nos próximos dias resolver coisas minhas na Itália.

Mas vai levar alguém para a Europa também?
Não. Tem que colocar as coisas certas. Ninguém sai do Vasco. Não vou negociar ninguém com clubes de lá. Vou trazer. Pode ser de fora ou do Brasil, depende da oportunidade.

Tem muita gente revoltada ainda com a história do Vieri...
O Vieri é um amigo meu. Veio ao Brasil de férias e recebeu convites. Apenas o ajudei nesse processo. Mas ele não se adaptou e voltou para a Europa. Foi isso.

E aquela cola que você levou para a sua apresentação?
Queria chegar na coletiva com um português que a torcida entendesse. Mas acabou que não falei nada do que estava lá. O Mandarino e o Roberto falaram por mim. Talvez não fui muito bem entendido. Mas podem me cobrar. Vou dar resultados. Me deem um mês e vão ver.

Como foi o contato com os jogadores?
Foi a maior emoção da minha vida. Não sei descrever a emoção de estar no vestiário de um dos maiores clubes do planeta. Todos me receberam bem. O Felipe e o Juninho me abraçaram. O Cristovão eu não conhecia. É uma pessoa inteligente. Fiquei encantado.

Você gosta de Bananas de Pijamas, como estava no Facebook?
Meu sobrinho gosta. Na verdade, vocês terem falado isso, foi quase uma homenagem a ele. Até me ligou depois. Mas eu não conheço essas coisas.

Você comentarista: