No Santos, Gabigol 'esnoba' gols pela base e diz que aceita o seu apelido

Atacante afirma que não inclui os gols feitos nas divisões de base na contagem da sua carreira. Ele já marcou três pelo profissional: 'Vou tentar fazer sempre, mas sem metas'

Marcelo Braga - 20/01/2014 - 07:02 São Paulo (SP)

Gabriel  - Jogo Santos x XV Piracicaba (Foto: Ivan Storti/ LANCE!Press)

Autor do primeiro gol do Santos na temporada, o da vitória por 1 a 0 contra o XV de Piracicaba, Gabriel diz que gosta de ser chamado pelo apelido que carrega desde as categorias de base: Gabigol. Em 2013, o departamento de comunicação do clube pediu que ele fosse chamado só pelo nome.

– Já pegou, é minha marca, não tem como tirar. Prefiro Gabriel, é claro, pois na minha família me chamam assim, é o nome que minha mãe me deu, mas não tem como apagar o apelido – disse, ao LANCE!Net.

E MAIS:
> Thiago não condena Gabriel por cavadinha
> Montillo deve acertar com equipe chinesa

O que ele apagou, porém, foi a contagem de seus gols na carreira. Perguntado sobre o número de tentos feitos desde que trocou o futsal do São Paulo pelo Santos, aos 8 anos de idade, citou só os do profissional.

– O que passou, passou. Tenho três gols. Na base, só tinha a noção dos meus gols quando era artilheiro e ganhava algum troféu, mas agora só estou contando Paulista e Brasileiro (risos). Espero fazer muitos e, aí sim, começar a contar.

Além do contra o XV, o menino de 17 anos fez contra o Vitória, pelo Campeonato Brasileiro, e outro contra o Grêmio, o seu primeiro, este pela Copa do Brasil, todos em 2013. Para ele, o mais especial foi o diante do clube gaúcho.

- Foi o meu primeiro e ficou marcado pelo jeito que foi, já que eu não estava nem convocado, entrei e fiz. Era oitavas de Copa do Brasil e foi contra o Dida, um goleiro de Copa do Mundo. Foi especial - lembrou.

CONFIRA UMA ENTREVISTA EXCLUSIVA COM GABRIEL:

Feliz pelo gol?
Graças a Deus consegui marcar e o time jogou bem. Foi difícil, pois o XV vinha treinando desde novembro e nós tivemos só uma semana de trabalho. Mas disputamos até o final, como o Oswaldo pediu.

Treinou mesmo nas férias?
Quando acabou o Brasileiro, continuei treinando, mas bem leve. Também descansei, curti com a família. Só que nunca deixei de ficar em forma, gosto de treinar, não perdi tanto o ritmo. Acho que todos os atletas nas férias se cuidaram também.

Mas você é jovem...Não foi se divertir nas férias?
Fiz tudo isso, fui para churrasco, saí, viajei. Só que nunca deixei a parte física de lado. Sou viciado em treino.

Gostou dos primeiros contatos com o Oswaldo?
Sim, principalmente pela parte tática. Estou muito feliz, pois em uma semana aprendi muitas coisas. Espero aprender ainda mais para ir aperfeiçoando o meu futebol. Nosso time vai aprender muito com ele.

Aprendeu o quê?
O nosso estilo já mudou, fazemos pressão lá em cima, todo mundo marcando forte, com comprometimento e humildade. O grupo vai crescer.

Damião um dia assumirá a vaga. Vai jogar onde?
Sempre fui ponta, mas também joguei de meia e centroavante na base. O Damião é um grande jogador, mas podemos jogar juntos também. Ele é de Seleção, e está me dando alguns toques de posição. Estou aprendendo com ele também.

O que ele diz?
Para eu finalizar rápido a última bola.

Acha que vai tomar bronca do Oswaldo pela cavadinha?
É do futebol, só quem está la sabe. Errei, mas podia ter feito o gol também. Se eu tiver outra chance igual vou pensar melhor: ou dar outra cavada, ou tocar, já que naquele momento podia dar para o Thiago (Ribeiro), ou bater rasteiro. Errei, mas é do futebol.

Quantos gols quer fazer em 2014?
Espero que muitos. Vou tentar fazer sempre, em amistoso, jogo de rua ou qualquer coisa, mas sem metas. Quero ajudar o time com gols, com passes ou dando carrinho lá atrás.

Você comentarista: