Inocentado pela morte da namorada, atacante Rafael Silva 'recomeça' a carreira em Portugal

Após sofrimento no Brasil, ex-jogador da Portuguesa tem vida nova no Gil Vicente (POR) e espera pelo nascimento da primeira filha

Gabriela Chabatura - 12/09/2012 - 09:25 São Paulo (SP)

Rafael Silva está no Gil Vicente (POR) (Foto: Arquivo Pessoal)

Nome comum e pouco conhecido dentro do futebol, mas com grande espaço nas páginas policiais. Foi assim que Rafael Silva, revelado pela Portuguesa, tornou-se manchete na imprensa em 2011. Apontado como suspeito de ter matado a ex-namorada, o atacante agora vive momento especial longe do Brasil - será pai pela primeira vez - e projeta reinício de carreira no Gil Vicente (POR).

Neste ano, Rafael Silva foi considerado inocente na morte de Flávia Lima, de 16 anos, que aconteceu em julho do ano passado. Os peritos do Instituto de Criminalística (IC) da Polícia Técnico Científica de São Paulo concluíram que Lima se suicidou.


Agora emprestado pela Portuguesa ao clube português, Rafael espera pelo nascimento da primeira filha, fruto de seu relacionamento com a esposa Cristiane Fetal. Em entrevista especial ao LANCENET!, o jogador abriu o coração e contou detalhes da "nova vida" na Europa.

Confira:

LANCENET!: Como foi a sua vida no ano passado depois do drama pelo qual passou?
Rafael Silva: Foi muito triste, pois eu ficava lembrando diariamente daquilo. A cena foi chocante.

LNET!: Em algum momento você se sentiu prejudicado pela imprensa ou pela própria polícia por ser tratado como suspeito pela morte de sua ex-namorada?
RS: Alguns repórteres me julgaram sem saber da realidade e eu me sentia muito mal quando via essas reportagens. Quanto à polícia foi muito profissional e agiu com frieza sem se influenciar pelo sensacionalismo de algumas reportagens.

LNET!: Você ficou tramautizado?
RS: Lembro daquela cena quase todos os dias...isso para mim é um trauma.

LNET!: Como você fez para evitar que esse problema não atrapalhasse sua carreira? Pensou em algum momento em largar a carreira?
RS: Tive a força de Deus, família, amigos e da própria Portuguesa. Eles foram a base para eu não desistir do meu maior sonho, que é ter meu nome reconhecido no futebol brasileiro.

LNET!: O laudo do caso apontou que Flavia se suicidou. Você acreitava que seria inocentado?
RS: O resultado não foi nenhuma novidade para mim. Fiquei aliviado com a decisão, pois minha família estava sofrendo muito com aquilo tudo. Foi um momento de alívio para todos.

LNET!: Você sente falta da Flávia?
RS: Acredito muito no perdão de Deus. Espero que ela tenha o perdão de Deus e esteja em um lugar melhor do que nosso mundo aqui. Nossos momentos alegres sempre serão lembrados.

LNET!: Em janeiro você foi emprestado ao Noroeste. Foi o início de uma nova vida?
RS: Devido ao caso, eu perdi um pouco de espaço na Portuguesa e, então, eles queriam me lapidar novamente me emprestando ao Noroeste. Fiquei muito contente com a recepção do pessoal do Norusca. Foi muito bom ter jogado lá e com certeza foi um recomeço.

LNET!: Em junho, você foi emprestado ao Gil Vicente, clube do exterior. Você precisa de um tempo longe do Brasil?
RS: Hoje eu estou voltando ao meu auge novamente. O Gil Vicente demonstrou interesse em contar com o meu trabalho e a Portuguesa cedeu. Hoje estou muito feliz aqui e acho que esse tempo longe do Brasil vai acabar ajuudando sim. Na verdade vai unir o útil ao agradável.

LNET!: Como é a sua vida em Portugal?
RS: Minha vida em Portugual está sendo brilhante. Está dando tudo certo. Fiz minha estreia no Campeonato Português contra o Porto e fui muito bem. Estou muito bem aqui. Hoje moro com minha esposa e teremos uma benção em dezembro que é o nascimento de minha filha.

Você comentarista: