Palmeiras chama Márcio Araújo para discutir renovação de contrato

Embora titular durante praticamente todos os quatro anos em que atuou pelo clube, seu salário é visto como muito alto pela diretoria. Sua permanência é um pedido de Kleina

Caio Carrieri - 12/12/2013 - 11:26 São Paulo (SP)

Márcio Araújo - Coletiva Palmeiras (Foto: Reginaldo Castro/LANCE!Press)

Após o pedido de Gilson Kleina, a diretoria do Palmeiras retomou na semana passada as conversas com Márcio Araújo para tratar sobre a renovação de contrato do volante. Jogador alviverde há quatro anos - e titular em boa parte deste período, apesar das críticas da torcida -, o camisa 18 deverá ainda negociar seu novo salário com o clube, pois a diretoria considera que o jogador possui vencimentos altos demais.

- Conversamos na semana pasada e estamos negociando. Não posso dar mais detalhes, não é assim que eu trabalho com meus jogadores - resumiu o empresário do jogador, Cláudio Guadagno, ao LANCE!Net.

E MAIS:
> Verdão terceiriza departamento médico da base e terá economia

> Palmeiras espera um fundo de R$ 54 milhões ainda em dezembro

Márcio ganha em torno de R$ 180 mil por mês, e o presidente Paulo Nobre quer implementar a partir deste ano pagamentos baseados em bonificações, com salários não tão altos, mas completados por metas atingidas pelo jogador e time. Ele, porém, tem tido dificuldades para colocar em prática a ideia.

Diante desta questão financeira, o empresário do jogador não dá pistas sobre o que pode acontecer com o futuro do atleta.

- Pode dar certo, como pode não dar - completou.

Contratado em 2010, Márcio dificilmente perde jogos - tanto que já está na lista dos 50 jogadores com mais partidas pelo Verdão. Ele possui 252 até agora, com sete gols marcados. No ano, foi a campo 61 vezes (o time entrou em campo 68 vezes), sendo 35 delas na Série B. Embora os palmeirenses não gostem do jogador, ele, assim como Leandro, Vilson, Marcelo Oliveira e Charles, teve sua permanência pedida para 2014 pelo treinador, de olho no centenário palmeirense.

Você comentarista: