Após pichação em muro, Paulo Nobre garante 'segurança e tranquilidade' ao elenco palmeirense

Presidente do Verdão disse que não irá recuar na base da pressão; time enfrenta nesta tarde o São Paulo, no Morumbi

LANCEPRESS! - 10/03/2013 - 15:49 São Paulo (SP)

Coletiva do Paulo Nobre (Foto: Ale Cabral/LANCE!Press)

Após um dos muros do Palestra Itália amanhecer pichado com a ameaça de torcedores ao elenco, caso este seja derrotado neste domingo no Morumbi, o presidente Paulo Nobre manteve o discurso firme já apresentado na quinta-feira, quando membros da Mancha Alviverde agredirem a delegação do clube, na Argentina. Pouco antes do clássico com o São Paulo, que começa às 16 horas (de Brasília), o mandatário tratou de, mais uma vez, mostrar apoio ao grupo que comanda diante da relação turbulenta com a torcida.

- Na base da pressão esta diretoria não vai recuar. Vamos garantir segurança e tranquilidade para o nosso grupo trabalhar e voltar à primeira divisão - avisou Nobre, em entrevista para o Sportv.

- Eu tenho a obrigação de defender meus jogadores e institução - disse.

Incomodado com as atitudes de membros da organizada no Aeroparque de Buenos Aires, o presidente palmeirense havia dito que iniciaria um movimento com outros clubes para acabar com a violência no futebol brasileiro, dizendo que iria até falar com Dilma Rousseff, presidente da República, caso fosse preciso. O projeto, porém, ainda não se iniciou.

- Ainda não (conversei com os presidentes dos outros clubes). É uma coisa recente. Eu acho que tem de ser uma frente única, porque a violência faz mal a todos os clubes e ao futebol brasileiro - acrescentou.

Precisando de uma vitória para retornar ao G-8 do Paulista Chevrolet, o Verdão ainda sofre com o incômodo jejum de 11 anos sem vitória sobre o Tricolor, no Morumbi. Mesmo com os recentes problemas, Nobre mostrou não duvidar da capacidade do grupo comandado por Gilson Kleina.

- Confio no meu elenco, no meu time, mas clássico nunca sabemos que vai acontecer - completou.

Você comentarista: