Arena Palestra: arquibancadas já no topo e estádio ‘formado’

Obras da nova casa seguem a todo vapor. Empresa mantém prazo e aumentará capacidade de torcida

Fabricio Crepaldi - 08/09/2012 - 08:00 São Paulo (SP)

Obras no Arena Palestra (Foto: Eduardo Viana)

Se o torcedor do Palmeiras já está fazendo sua parte no Pacaembu, a ansiedade para poder voltar a pular e cantar na Arena Palestra deve ser enorme. E com razão.

A nova casa do Verdão vai ganhando forma a cada dia. Cada vez com mais “cara” de estádio, arquibancadas mais altas, o formato do Palestra já quase todo definido...

As obras seguem a todo vapor. O último prédio antigo que faltava ser demolido, já está no chão. Agora, a preocupação da WTorre é apenas com a construção da Arena.

GALERIA: Confira imagens da obra na Arena Palestra

Construção que continua sendo “atrapalhada” pelo lance de arquibancadas que ficava atrás do gol, que não pôde ser demolido. Para quem visita, dá um ar de nostalgia ao lugar, um contraste entre as glórias que a torcida comemorou naquele espaço, com a modernidade que está por vir. E, em breve, ela cobrirá o que restou do passado no estádio. Esse é o próximo passo da obra, considerado como o mais complicado. Isto feito, a reforma já rumará para as partes definitivas.

A empresa, inclusive, garante que entregará o Palestra no máximo no segundo semestre do próximo ano. A ideia é fazê-lo entre setembro e outubro, tentando antecipar.

TVL! mostra como está a obra da Arena Palestra


Enquanto isso não ocorre, o clube já olha para a frente. Os prédios de quadras e administrativo já estão sendo usados pelo Palmeiras.

Na parte que mais interessa aos torcedores, a das arquibancadas, tudo dentro do previsto. Elas já estão quase todas colocadas, exceto o setor atrás de um gol. Já chegaram em sua altura máxima, esperando a cobertura. Falta seguí-las até perto do gramado, que já tem seu espaço reservado, mas ainda usado como canteiro. A distância do primeiro torcedor para ele será curta, em torno de seis metros. A parte de camarotes, local de imprensa, escadas, entre outras, também estão feitas. O “esqueleto” do estádio está quase todo pronto.

Outra boa notícia ao palmeirense: por conta da escolha de cadeiras, a capacidade, antes prevista de 45 mil, será um pouco maior, podendo chegar até os 46 mil lugares.

Com o passar dos dias, é possível perceber a velocidade com que a obra acontece, mesmo com as limitações de horário e espaço. Os torcedores que passam pelos arredores do clube devem estar ávidos por poder entrar novamente na casa do Palmeiras, cantar, apoiar, festejar... Algo que não fazem há mais de dois ano. Mas a hora está chegando.

O estádio está subindo. E também espera ansioso por ter de novo seus novos e eternos “companheiros”.


Confira uma entrevista exclusiva com Rogério Dezembro, diretor de novos negócios da WTorre:

LANCENET!: Qual é o panorama atual da obra? Qual é o próximo passo?

ROGÉRIO DEZEMBRO: Demos uma acelerada grande nesses últimos 90 dias. Agora entramos com a montagem dos pré-moldados, anda muito rápido. Entregamos em junho os prédios para o clube. Ficou bastante fácil, estamos concentrados 100% na obra da Arena, que vai andar muito rápido, exceto a parte da arquibancada velha, que fica mais caro e devagar.

LNET!: Existe chance de um atraso?

RD: Trabalhamos com segundo semestre de 2013 e trabalhamos firme para ter um ganho de velocidade. Do ponto de vista comercial, é muito mais interessante abrir a Arena no final do ano, a partir de setembro, outubro, do que em fevereiro, por exemplo. Além de ter o interesse da própria obra, porque quanto mais rápida é, mais barata fica. Fora isso, 60, 90 dias fazem muita diferença no que você pode ter. Nosso objetivo e nosso horizonte é esse.

LNET!: E a venda dos naming rights? Quanto vocês pretendem ganhar?

RD: Estamos trabalhando com R$ 400 milhões para 20 anos. Recebemos duas propostas oficiais, que não aceitamos, uma delas eles continuam negociando conosco, e temos mais duas com quem a negociação caminha de forma consistente, têm solicitado informações, mandado isso para suas matrizes, a coisa está quente e andando. Se estivesse dentro do valor, já estaria fechado. Ainda não está. Negociação é longa.

LNET!: Pretendem deixar um espaço sem cadeiras para as organizadas?

RD: É algo que estamos estudando. Pensamos em cadeiras removíveis, mas não temos espaço de armazenamento. Uma solução é deixar uma parte no concreto, sem cadeiras, ou ter cadeiras mais compactas. Não vai ter como atender todo mundo, porque temos limitação de espaço e não posso sair do padrão Fifa que temos de obedecer.


Você comentarista: