Após duas horas de treino, Vélez está definido para enfrentar o Santos

Argentinos fazem longo treinamento, antes do duelo desta quinta-feira. Time já está escalado para tentar brecar Neymar e cia.

Marcio Porto - 16/05/2012 - 14:11 Enviado especial a Buenos Aires (ARG)

Treino do Vélez (Foto: Márcio Porto)

O Vélez Sarsfield (ARG) já está praticamente pronto para a partida contra o Santos, nesta quinta-feira, pelas quartas de final da Libertadores, em Buenos Aires. Nesta quarta-feira, o técnico Ricardo Gareca realizou um longo treinamento em manhã ensolarada, definiu o time e se armou para conter as investidas de Neymar.

Em mais de duas horas de atividade, Gareca comandou treino de dois toques, deu muita atenções às bolas paradas e parou diversas vezes para orientar seus jogadores. Depois do treino técnico, alguns jogadores ainda ensaiaram cobranças de falta e pênalti, tudo para superar os atuais campeões da Libertadores.

O tempo da atividade chamou a atenção. No Brasil, é raro os treinamentos passarem de uma hora e meia. O Santos, por exemplo, costuma fazer trabalhos de cerca de uma hora.

Gareca já definiu o time. Com três desfalques na equipe titular (Ortiz, Insúa, e Pratto), ele deslocará o capitão Cubero para o miolo de zaga ao lado do ex-corintiano Sebastian Dominguez, e permanecerá com o jovem Gino Peruzzi, de 19 anos, na lateral direita. A escalação será: Barovero, Peruzzi, Cubero, Sebastian Dominguez e Papa; Augusto Fernandez, Cerro, Zapata e Cabral; "Burrito" Martinez e Obolo.

Peruzzi, o marcador de Neymar, aliás, foi motivo de polêmica antes da partida. As declarações em tom de brincadeira ao "Diário Olé", quando prometeu quebrar Neymar, não tiveram efeito positivo no elenco. O zagueiro Sebá, que atuou no Corinthians em 2005, não gostou da publicação.

- Ele é jovem, está começando agora e nem tinha porque dizer aquilo. Foi uma brincadeira, falou brincando, não era para ser publicado - afirmou, em entrevista ao LANCENET!.

Vélez e Santos se enfrentam nesta quinta-feira, a partir das 22h, no Estádio José Amalfitani, em Buenos Aires. Foram colocadas cerca de 45 mil entradas à venda.

Você comentarista: