Após protesto pela saída de Vitinho, loja do Bota sofre ato de vandalismo

Na noite de segunda-feira, muros da sede do clube foram pichados e, na manhã desta terça, foi a vez da loja sofrer com a revolta dos vândalos

Pedro Barboza - 27/08/2013 - 10:33 Rio de Janeiro (RJ)

Loja do Botafogo pichada (Foto: Gabriel de Paiva/Agência O Globo)

Além das pichações nos muros de General Severiano, na noite de segunda-feira, a vitrine da loja oficial do Botafogo também amanheceu vandalizada nesta terça. A maioria dos vidros da fachada estava manchada de tinta branca. Com isso, funcionários do loja tentavam limpar as depredações feitas pelos 'torcedores' em protesto, após o anúncio da venda de Vitinho.

Em General Severiano, o muro do clube foi pichado com as inscrições "Fora safado!", fazendo alusão ao presidente Mauricio Assumpção, e "Acabou o amor". Cerca de 50 torcedores estiveram no protesto.

E MAIS:
> Vitinho rejeitou R$ 200 mil por mês do Botafogo e ganhará R$ 500 mil
> Meia comunicou a diretoria do Botafogo que desejava ser negociado
> Com xingamentos, esposa de Vitinho explode contra torcida do Botafogo
> Dirigente do Botafogo garante: 'Não vai sair nenhum jogador do elenco'
> Oswaldo evita falar em erros do Botafogo e exalta Furacão
> CSKA e Galatasaray demonstram interesse em Vitinho, do Botafogo

O jogador foi negociado por 10 milhões de euros (cerca de R$ 31 milhões) com o CSKA Moscou e já viaja para o Leste Europeu nesta terça-feira. A quantia é referente à multa do contrato do atacante. Um ofeta do Porto (POR), na noite de segunda, igualou a proposta do time russo, e ainda poderia deixar o meia-atacante no clube até o fim da temporada. Porém, o camisa 31 bateu o martelo e acertou a ida para a Rússia.

O Botafogo tem direito a receber 60% do valor do negócio (cerca de R$ 18,6 milhões). O problema é que o clube pode ter o dinheiro penhorado, já que ainda negocia um novo Ato Trabalhista na Justiça. A situação é semelhante ao ocorrido com Fellype Gabriel e Andrezinho no começo da temporada.

Você comentarista: