Unidos e em paz, Cuca e Roger curtem boa fase

Meia poderá completar sua quarta partida seguida no time titular e caminha para igualar o seu recorde no Cruzeiro, de cinco

Daniel Hott e Thiago de Castro - 02/03/2011 - 08:08 Belo Horizonte (MG)

Roger (Foto: Gil Leonardi)

Roger caminha para igualar a sua maior sequência de jogos consecutivos como titular com a camisa do Cruzeiro. Isso demonstra que a rusga com Cuca já foi plenamente superada e que é hora de o meia arrebentar nas partidas. A começar por esta quarta-feira, contra o Tolima, na Colômbia. O jogo começa às 19h30 e tem transmissão em tempo real pelo LANCENET!.

Receba os gols do Cruzeiro em tempo real no seu celular!

Exatamente um mês após discutirem pela imprensa, Roger e Cuca estão em clima amigável e de ajuda mútua, pelo bem do clube celeste. O meia entendeu e reconheceu que pleitear a titularidade nas entrevistas poderiam ser prejudicial. Enquanto o comandante celeste atendeu o pedido do torcedor e colocou Roger no time titular.

Tudo começou quando Cuca definiu Gilberto e Montillo como seus armadores para começar a temporada 2011. Roger, que havia terminado 2010 como titular e em boa fase, não gostou. Em entrevista coletiva, soltou o verbo.

Cuca rebateu da mesma forma, pela imprensa, e avisou que "no grito, não vai".

Se o relacionamento dos dois caminhava de uma maneira ruim, tudo foi resolvido na base da conversa e do entendimento, com bom senso. Até o presidente Zezé Perrella ajudou na questão, reaproximando Cuca e Roger.

No fim da novela, quem ganha é o Cruzeiro. Com Roger e Montillo na armação, o time está em boa fase, que poderá ser comprovada contra o Tolima.

Este será o quarto jogo seguido de Roger entre os titulares. Com mais uma partida, ele iguala a sequência conquistada duas vezes em 2010 de cinco jogos e confirma a sua nova fase no Cruzeiro.

Fábio

Ao meio ao entrevero de Roger e Cuca, um personagem foi fundamental para manter o bom ambiente na Toca da Raposa 2. O goleiro e capitão do time, Fábio, acompanhou de perto nos bastidores todos os capítulos.

Fábio foi peça chave em um momento importante da história. Enquanto Roger e Cuca discutiam pela imprensa, ele foi requisitado pelo supervisor de futebol do clube, Benecy Queiroz, pessoa querida pelos jogadores, para manter o clima legal nos treinamentos do clube.

O capitão celeste então agiu para apaziguar os ânimos e para manter o grupo unido. Vale lembrar que além de Cuca, Roger havia se desentendido com o também armador Gilberto, que brigava por posição com ele.

O pentacampeão chegou a fazer críticas sobre a postura de Roger. Contudo, posteriormente, o presidente Zezé Perrella afirmou que a paz já reinava na Toca 2 e ambos haviam se entendido de novo.

Você comentarista: