Marcelinho Carioca perde placa dada por Pelé, mas não esquece de golaço na Vila

Em 1996, Pé-de-Anjo marcou lindo gol no estádio e recebeu homenagem do Rei. Nesta quarta, quer inspirar os gols do Timão

Marcelo Braga - 13/06/2012 - 07:00 Santos (SP)

Especial Marcelinho Carioca (Foto: Miguel Schincariol)

Até Pelé aplaudiu. Tático e eficiente, é na beleza de um golaço em plena Vila Belmiro que o atual time corintiano pode se apegar para marcar seu primeiro gol fora de casa em mata-matas dessa Libertadores, após empates sem gols com Emelec, em Guaiaquil (ECU) e Vasco, no Rio.

Ídolo do clube, foi Marcelinho Carioca o autor do feito, em 11 de fevereiro de 1996, pelo Paulistão. Ao receber passe de Tupãzinho, chapelou Ronaldo Marconato com a parte externa do pé direito e bateu no canto de Edinho, filho do Rei, que via tudo das tribunas. Um mês depois, recebeu do maior jogador da história uma placa em homenagem à pintura que fez.

– Foi o gol mais bonito da minha carreira e um momento muito especial. Após o gol, os jogadores do Santos vieram me cumprimentar e no término do jogo tive uma surpresa que vai ficar marcada para resto da minha vida, que foi o encontro com o Pelé. Ali, ele já me disse que eu merecia uma placa. Fiquei muito feliz – disse o Pé-de-Anjo, em visita ao palco do primeiro jogo da decisão da semifinal, a convite do LANCENET!.

Marcelinho Carioca visita a Vila e relembra gol de placa


E MAIS:
Rojões na madrugada são ironizados por Sheik
Alan Kardec é o artilheiro mais 'letal' da Libertadores
Alberto é exemplo para Neymar. Faz de bicicleta?
Alex é 'o cara' da bola parada no Corinthians
Patrocínio da Iveco na camisa nos dois jogos
Semifinal alvinegra passa pelo Brinco de Ouro
Timão não faz gol fora de casa há 399 minutos

Receba primeiro as notícias do Timão no seu celular!

Honrado com a homenagem que recebeu, o ex-jogador a deixou na casa de seu pai, no Rio de Janeiro. Neste ano, porém, em meio a uma mudança para São Paulo, o objeto acabou sendo perdido por seu irmão:

– A placa sumiu. Meu irmão escondeu isso de mim, não queria me deixar triste, mas descobri. Vou tentar fazer uma réplica, foi muito marcante para mim. Estou fazendo minha sala de troféus e quero um lugar de destaque para ela – explicou ele, que ainda vive na capital.

Apesar da perda, o gol não se apaga nem da memória dele e nem da dos corintianos. Da mesma forma como um título continental, na décima participação do Timão, ficará marcado para sempre.

– O Corinthians está fadado a ser campeão. Apesar de não encher os olhos do torcedor, faz o básico, dança conforme a música, como o futebol de hoje exige. A instituição merece o título pela tradição – diz.

Nesta quarta, porém, para corintianos, a beleza que os desculpe. Pois ganhar – até feio – é o fundamental.

PÉ-DE-ANJO FAZ LOBBY POR DOUGLAS

Ex-meia, Marcelinho acredita que a equipe do Corinthians ganharia em qualidade caso Tite escalasse Douglas no meio de campo. Sem um centroavante de ofício, caberia a Danilo exercer o papel de jogador mais enfiado. E sobraria para Alex...

– Tem Ralf e Paulinho na contenção e uma defesa muito forte. Faz o esquema de 2009, com três à frente: Emerson, Jorge Henrique ou Willian e Danilo. Ia encaixar bem, porque Douglas é diferenciadíssimo. Tem de deixá-lo solto. O craque pode esta mal por 80 minutos, mas em dez ele resolve. E Douglas é craque – elogiou o ídolo da Fiel.

Contratado junto ao Grêmio no início do ano, o camisa 15 ainda está devendo boas apresentações. Titular contra o time gaúcho no domingo, disse sentir falta de uma sequência de jogos, mas mostrou conformismo com a reserva, onde deve iniciar hoje.

Bate-Bola com Marcelinho Carioca
Em entrevista exclusiva ao LANCENET!

Você pensou em chapelar o zagueiro quando a bola veio?
Não tinha nem como pensar muito, o Marconato chegou muito rápido. A bola veio do lado direito do calcanhar e, quando quicou, dei o lençol de chaleira nele e toquei de chapa para o gol. Eu não premeditei nada, foi bem casual.

Como foi ganhar a placa? Agora que perdeu, vai fazer outro gol?
Pelo amor de Deus, só se for pelo master (risos). Fiquei feliz, receber uma honraria do maior jogador do mundo foi muito gratificante, um sinal que meu trabalho foi reconhecido, era diferenciado.

Você jogou pelos dois times. Qual é a força da torcida na Vila?
Jogar pelo Santos era maravilhoso, a pressão era muita, o santista sufoca o adversário e te empurra. Jogando contra, também sempre gostei de ser motivado.

Se esse time for campeão, vai superar o de 2000, que também chegou à semifinal da Liberta?
Em qualidade técnica, a proporção é de 10 por 1 para o de 2000. Não dá para comparar jogador por jogador. Mas torço para que ganhem para acabar com essa síndrome. Mas não será melhor que aquele.

FASCINADO PELA POLÍTICA

Hábil com a bola nos pés, Marcelinho Carioca agora raramente entra em campo para peladas. Nesta quarta, excepcionalmente, irá a Aracaju (SE) para um jogo beneficente.

Atualmente, os dribles são na política, onde quer marcar gols em prol da sociedade com a bandeira do esporte como meio de inclusão social. “Fascinado pela política”, vive em reuniões ou pendurado ao celular. Filiado ao PSB, candidatou-se a deputado federal em 2010. Com cerca de 62 mil votos, ficou como primeiro suplente. Em 2011, quase substituiu Abelardo Camarinha, mas abriu mão do cargo.

Neste ano, será candidato a vereador em São Paulo. Além da carreira política, Marcelinho tem um resort em Atibaia e uma empresa que agencia alguns atletas – como Dedé, do Vasco. No início do ano, foi superintendente de futebol do América-SP, mas deixou o cargo por divergência de pensamento.

Você comentarista: