Especial Rússia: 20 anos após o fim da União Soviética

Cenário do futebol mostra como a pátria mãe da extinta URSS se transformou nas últimas duas décadas sem o socialismo

Rodrigo Lois - 26/12/2011 - 09:04 Rio de Janeiro (RJ)

Pós União Soviética - Rússia - 20 anos depois - Mapa

Se o futebol explica a sociedade, pode-se dizer que o microcosmo russo da bola reflete bem o que ocorreu na ferra dos czares nas últimas duas décadas. Não só de lá, como também dos outros países uma vez integrantes da extinta União Soviética.

A Rússia comemorou no último domingo 20 anos do anúncio oficial do ex-presidente Mikhail Gorbachev, para milhões de pessoas mundo afora, no qual renunciou ao poder e declarou o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, a URSS.

Era o último suspiro do Estado socialista que foi superpotência e dominou a Eurásia durante quase 70 anos, entre 1922 e 1991, de influência global e que contava com 15 países, tendo a mãe Rússia como principal.

Baseado no comunismo de sociedade igualitária, o regime acabou se transformando em algo com governo e economia altamente centralizados. Pior: com modus operandi opressor e brutal, do qual o futebol também foi vítima.

- A maioria dos clubes pertencia a entidades do Estado, como as Forças Armadas e a polícia. Os jogadores não eram considerados profissionais, não podiam se transferir para o exterior e eram duramente reprimidos em casos de derrotas consideradas políticas - contou Boris Bogdanov, jornalista do "Sport Express", da Russia.

Futebol milionário

A era dos camaradas comunistas deu lugar ao capitalismo desigual dos magnatas, como Roman Abramovich, Suleyman Kerimov e Rinat Akhmetov, dosnos de Chelsea (ING), Anzhi (RUS) e Shakhtar Donetsk (UCR), respectivamente, entre outros barões do petróleo e recursos naturais.

Atraídos pelas fortunas dos clubes 'novos ricos' da região, os jogadores brasileiros são vistos cada vez mais atrás da Cortina de Ferro. Mas algumas mazelas e espiões da antiga União Soviética ainda persistem. É como manda um ditado russo: "Quando o dinheiro fala, a verdade se cala". Pelo jeito, a URSS não mudou tanto assim.

Em meio à Copa do Mundo e crises

Enquanto se reconstroi para receber a Copa do Mundo de 2018, a Rússia hoje assiste ao desmoronamento da imagem de seu governo. Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas das principais cidades do país no último sábado em novo protesto nacional contra a supostas fraude nas últimas eleições parlamentares, que deram a vitória ao partido do presidente Dmitri Medvedev e do premier Vladimir Putin, no poder há 12 anos.

- Não se pode construir o futuro com mentiras - afirmou Mikhail Gorbachev, último líder da União Soviética e um dos oradores do protesto.

Além desse desafio político, a Rússia tenta superar os sete fuso horários distintos e, principalmente, as diferenças culturais e sociais entre as 13 regiões de seu território para sediar o Mundial de 2018. Segundo pesquisas da Fifa, 43% da população local está interessada ou muito interessada no evento.

Com a Palavra
Boris Bogdanov - Repórter do 'Sport Express' (RUS)

O futebol an URSS era uma arma ideológica

O futebol na União Soviética era uma arma ideológica, a seleção era considerada "a cara" do país. Além disso, tudo era muito controlado pelo Estado. Agora são os interesses financeiros, em vez dos ideológicos, que determinam tudo.

O futebol ainda é o esporte número um por aqui, mas não tem a mesma presença da torcida como nos tempos da Guerra Fria.

As expectativas para o Mundial de 2018 são boas, mas os estádios daqui são de uma infraestrutura péssima.

Como era a União SoviéticaComo ficou o cenário pós-URSS
Regime socialista
A União Soviética era formada por 15 repúblicas distintas, todas elas sob o governo do Partico Comunista.

Guerra Fria
Desde a II Grande GUerra até 1991, a URSS travou luta política e ideológica com a outra superpotência, os Estados Unidos.

Ditadura do proletariado
DUrante décadas o Estado reprimiu com violência opositores aos planos e metas do regime soviético.
Desmoronamento
Na década de 80, a União Soviética sofreu grande crise econômica e política e viu sua influência global ruir.

Separação
A URSS foi então dissolvida em 15 repúblicas independentes.

Capitalismo
Os países abandonaram o socialismo e sua economia planificada e entraram no capitalismo de mercado. Alguns estão em crise. Outros (Ex: Ucrânia) têm economias fortes.

Você comentarista: