No jogo 150 de Dedé, Rafinha desequilibra e Fla bate o Vasco

Com a vitória por 4 a 2, o Rubro-Negro assume a liderança do grupo B e tira a invencibilidade do Vasco na Taça Guanabara

Pedro Barboza - 31/01/2013 - 21:36 Rio de Janeiro (RJ)

Na dia em que Dedé comemorou 150 jogos com a camisa do Vasco, quem brilhou foi o menino Rafinha. O jovem atacante do Flamengo foi o nome do clássico ao marcar um gol e participar dos outros três na vitória do Rubro-Negro sobre o Cruz-Maltino por 4 a 2.  A vitória rubro-negra ainda tirou a invencibilidade vascaína na Taça Guanabara.

Em um bom espetáculo, a partida teve um verdadeiro clima de clássico no Engenhão. O time de Dorival Júnior foi mais eficiente durante todo o jogo e soube aproveitar as oportunidades criadas na velocidade de seus jogadores, principalmente de Rafinha. A equipe de São Januário sentiu a ausência de Carlos Alberto, machucado, e pouco pôde fazer para segurar a pressão do adversário.

Com o resultado, o Vasco continua líder do grupo A, com nove pontos. Já o Flamengo soma dez, assumindo a liderança do grupo B, que pertencia ao Fluminense. As equipes voltam a jogar no próximo domingo. O Cruz-Maltino recebe o Bangu, em São Januário. O Rubro-Negro enfrenta o Nova Iguaçu, no Engenhão.

O JOGO

Os primeiros instantes da partida foram bem cadenciados no meio de campo, mas o Flamengo mostrou mais ímpeto em busca do gol. Contudo, o Vasco foi buscando, aos poucos, a tranquilidade para organizar o jogo. Os cruz-maltinos logo equilibraram as ações, mas a primeira jogada de perigo foi do Rubro-Negro, aos 12 minutos, na investida de Rafinha pela esquerda. O jovem tocou a bola para o lateral João Paulo, que arrumou para Ibson. O volante não aproveitou a chance e chutou por cima do gol de Alessandro. Em seguida, contra-ataque vascaíno: John Clay quase aproveitou uma furada de Renato Santos.

GALERIA DE FOTOS
- Veja as imagens de Vasco 2 x 4 Flamengo

LEIA TAMBÉM
- Com pés no chão, Rafinha garante que precisa derrubar muitas barreiras
- Vasco perde a invencibilidade e time quer superação
- Após golaço, Cleber Santana prefere não falar da dívida do Fla com o Avaí
- Após boa atuação coletiva e individual, Elias afirma: 'Temos muito a crescer'
- Com quatro gols pelo Flamengo, Hernane mira a artilharia do Carioca
- Gaúcho enaltece clássico e vascaínos lamentam ausência de Carlos Alberto
- Para Dorival, Flamengo e Vasco fizeram a melhor partida do Campeonato
- Renato Santos quer euforia da vitória apenas para a torcida do Flamengo

A partida começou a ter cara de um verdadeiro clássico quando Eder Luis jogou Elias no chão, após o volante rubro-negro atrasar uma jogada de ataque do time de São Januário. Os dois foram advertidos com cartão amarelo. E o primeiro gol do Flamengo não demoraria a sair. Em uma boa jogada na intermediária e um passe em profundidade de Ibson, Rafinha dividiu com o goleiro Alessandro. A bola sobrou na medida para Hernane "Brocador", que abriu o placar da partida aos 24 minutos e chegou ao quarto gol no Campeonato Carioca.

O Flamengo partiu para cima do Vasco querendo ampliar o marcador. Após boa troca de passes, Elias recebeu de Rafinha e cruzou para a pequena área. Sozinho, Nixon só teve o trabalho de estufar o peito e correr para a galera: 2 a 0. Quando a torcida rubro-negra ainda comemorava o segundo gol, Bernardo cobrou falta da ponta direita e achou Pedro Ken. Sem marcação, o meia do Vasco não deu chances ao goleiro Felipe e diminuiu o marcador. Até o fim da primeira etapa, toda jogada levava perigo ao adversário. No entanto, o placar permaneceu inalterado, com vitória parcial do time da Gávea.

SEGUNDA ETAPA COM MUDANÇAS

O segundo tempo começou morno, com alterações dos dois lados. Com a entrada de Dakson, o técnico Gaúcho postou o Vasco mais ao ataque, enquanto Dorival Júnior quis priorizar a qualidade no meio de campo com Cleber Santana na vaga de Nixon. O time de São Januário se abriu um pouco mais, partindo para cima do rival em busca da igualdade. Mas essa ousadia custou caro logo no início, colocando por água abaixo a estratégia do treinador cruz-maltino.

 
Hernane marcou o primeiro gol do Flamengo, após jogada de Ibson (Foto: Alexandre Loureiro) 

Após um passe errado no meio de campo, Rafinha roubou a bola na lateral esquerda, invadiu pela diagonal, passou por Dedé e ajeitou para Cleber Santana acertar um belo chute no ângulo esquerdo do arqueiro vascaíno.

Tentando buscar o resultado, Gaúcho colocou Tenório na vaga de Leonardo. O equatoriano não se omitiu, dando trabalho para a zaga rubro-negra. Em duas oportunidades, o Demolidor quase fez o segundo do Vasco. Mas a tentativa de reação não durou muito tempo. Desarrumado com os gols do Rubro-Negro, o Cruz-Maltino deu cada vez mais espaços ao time da Gávea.

Ainda faltava o dele. Em um dia de muito brilho, o menino Rafinha não tomou conhecimento do adversário e não sentiu na pele a estreia em um clássico pela equipe profissional. Em uma arrancada de mais de 50 metros, correu mais do que os zagueiros do Vasco e tocou no contrapé de Alessandro, fazendo o quarto gol.

Exausto, o atacante flamenguista deixou o campo com cãimbras. Para quem já achava que a partida estava liquidada, Dakson deu mais emoção ao clássico, marcando um golaço de fora de área, em um chute que foi no ângulo de Felipe.

O gol deu ânimo ao time do Vasco, que tentava penetrar na defesa do Flamengo e chegou a ter boas chances. Contudo, não foi feliz nas conclusões, parando, muitas vezes, no goleiro Felipe. Com um placar confortável, o Rubro-Negro segurou o importante resultado.

FICHA TÉCNICA
VASCO 2 X 4 FLAMENGO

Estádio: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 31/1/2013 - 19h30h (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Luiz Antonio Muniz de Oliveira (RJ) e Michael Correia (RJ)
Renda e público: R$ 403.545,00 / 12.423 pagantes
Cartões Amarelos: Eder Luis e John Cley (VAS), Elias, Hernane, Léo Moura e Thomás (FLA)
Cartão vermelho: Não houve

GOLS: Hernane, 24'/1ºT (0-1); Nixon, 30'/1ºT (0-2); Pedro Ken, 32'/1ºT (1-2), Cleber Santana, 32'/2ºT (1-3), Rafinha, 18'/2ºT (1-4), Dakson, 27'/2ºT (2-4)

VASCO: Alessandro, Abuda, André, Dedé, Wendel; Fillipe Soutto, Pedro Ken, Jhon Cley (Dakson, intervalo), Bernardo; Eder Luis e Leonardo (Tenório, 12'/2ºT). Técnico: Gaúcho.

FLAMENGO: Felipe, Léo Moura, González, Renato Santos, João Paulo; Cáceres, Ibson (Renato, 17'/2ºT), Elias; Rafinha (Thomás, 22'/2ºT), Hernane e Nixon (Cleber Santana, intervalo). Técnico: Dorival Júnior.

Você comentarista: