Diretor do Timão admite possíveis reforços e 'promete' mais reforços

Roberto de Andrade confirma negociação de Alex, mas 'promete' novas contratações: Guilherme, Nenê e mais um zagueiro na pauta

Felipe Bolguese - 16/07/2012 - 18:48 São Paulo (SP)

Corinthians apresenta Paolo Guerrero (Foto: Eduardo Viana)

O peruano Paolo Guerrero foi apresentado na tarde desta sexta-feira. A nova camisa foi entregue pelo diretor de futebol do Corinthians, Roberto de Andrade, que aproveitou para falar sobre a possibilidade de outras contratações e das saídas de Alex para o futebol do Catar e também do fim da passagem de Liedson pelo clube.

Acompanhe os principais trechos da entrevista do dirigente do Timão:

ALEX
"Ele perdeu o voo. Faltou ao treino, a falta não está vinculada à negociação. O negócio não está fechado, mas pode ser fechado a qualquer momento. Pelo horário, isso deve ser concretizado na terça. Nesta segunda ele faltou ao treino pelo problema no voo. Como ainda não está fechado, se apresentará nesta terça."

Timão em busca do bom e barato para a zaga



LIEDSON
"Conversamos com seus procuradores e o acerto não foi feito. Tem clubes do Brasil interessados nele. Caso se acertem, ele sera liberado. Pelas nossas conversas, o contrato não será renovado."

MARTÍNEZ
"Nesse exato momento advogados estão finalizando as coisas para assinar o contrato, ja fez os exames e estamos só aguardando a finalização do contrato para que assine. Devemos apresentar na terça."

MAIS UM ZAGUEIRO
"Na realidade, em relação a zagueiros estamos muito bem servidos, estamos contentes com todos, negócios podem aparecer, só vamos trazer se for um grande zagueiro e um grande negócio."

GUILHERME
"É uma vontrade nossa, mas pelo que a gente sente vamos ficar isolados. A Portuguesa não sentou para conversar, eles não quiseram. Ele está jogando e, daqui a pouco, completará o 7º jogo. Da mesma forma que interessa, vejo com bastante dificuldade. A vontade do Guilherme pode ajudar, mas apenas esse ingrediente não é suficiente para sair da Portuguesa, que é um clube dificil de manter uma conversação. Toda vez que envolve a Portuguesa numa negociação, as coisas ficam complicadas. Mas acho normal, eles têm de valorizar mesmo. Quando falo dificuldade, falo de valores exagerados."

GUERRERO
"Tudo iniciou quando o Mano Menezes convocou o nosso auxiliar Fábio Carille para que ele analisasse os rivais na Copa América. Ele observou o Guerrero pelo Peru. Desde lá, a gente já vinha observando. Ele foi artilheiro daquela competição e isso despertou interesse. Vimos no Hamburgo (ALE), aí surgiu a oportunidade de conversar, o nome estava aprovado pela comissão técnica e deu certo."

OUTRAS CONTRATAÇÕES
"Estamos vendo, o Corinthians está aberto a grandes jogadores, isso não é novidade para ninguém. Enquanto a janela não se fecha, vale tudo para deixar o time mais forte."

OUTRO MEIA
"A gente vai conversar com a comissão técnica, quero deixar claro que o Corinthians não é um clube rico, é de torcedor, de muita coisa, menos de dinheiro. Dificuldades são iguais aos outros clubes. Compramos, mas desembolsamos também. Se vamos trazer outro meia? Vamos ver, tem mais quatro, cinco dias antes de fechar a janeça de fora para dentro. Primeiro é fazer o negócio dar certo, depois a gente pensa no que fazer."

MAIS SAÍDAS?
"Daqui para frente estamos conversando com todos que querem sair, a janela fecha no dia 31 de agosto, mas não enxergo mais ninguém saindo, não."

NENÊ
"O Edu (Gaspar, gerente de futebol) não foi atrás de ninguém lá na Europa, ele está de férias com a família. Nós é que estamos nos mexendo. Achamos que o Nenê é um grande jogador. Sabemos das dificuldades de o PSG liberar. Se acontecer (de ele conseguir a liberação), vamos conversar com ele, sim. Não fizemos nada, conversamos com o jogador por intermédio de um amigo, soubemos que ele gostaria de deixar o Paris Saint-Germain. Mas só a vontade não é suficiente. Da mesma forma que no Brasil achamos que é um grande jogador, lá na França também acham isso. Dificuldade é muito grande., nem temos esperança. Se der certo de ele sair, ai vamos conversar."

GIL
"Tentamos no começo do ano, mas não deu certo. Não quiseram liberar."

Você comentarista: