Jorge Henrique e Timão: diferença salarial grande

Pedido do atacante e oferta do clube tornam renovação de contrato difícil. Alguém vai ceder?

Rodrigo Vessoni - 31/05/2011 - 06:06 São Paulo

Jorge Henrique (Foto: Edson Lopes Jr)

A renovação de contrato de Jorge Henrique com o Corinthians está complicada. Neste momento, há uma enorme diferença entre o que o atacante deseja ganhar a partir de janeiro de 2012 e o que o clube oferece para que seu contrato seja estendido – o atual termina em dezembro deste ano.

Saiba antes informações sobre a renovação de Jorge Henrique!

O LANCE! apurou que a primeira pedida do jogador foi de cerca de R$ 350 mil mensais, valor que assustou os responsáveis pelo departamento de futebol profissional. Em contrapartida, foi oferecido cerca de R$ 180 mil mensais.

Num segundo momento, Jorge Henrique diminuiu o valor que pretende ganhar no novo acordo. Mesmo assim, a diferença continua substancial. As chances de haver uma renovação, com os atuais patamares de salário desejado e oferecido, inviabiliza qualquer acordo.

A intenção dos dirigentes corintianos é permanecer com o atacante, que chegou ao clube em janeiro de 2009, ganhou dois títulos e se tornou um dos ídolos da torcida, por sua dedicação em campo, sendo um dos pontos fortes do esquema do técnico Mano Menezes.

O problema é que, com a queda de produção de JH nos últimos meses, não há um único representante da diretoria com disposição para pagar o que ele pretende ganhar (veja os números dele abaixo).

Jorge Henrique foi um dos personagens principais da vitória corintiana sobre o Coritiba, em Araraquara. E não pela assistência para o gol de Danilo, mas por ter o nome gritado pela torcida, enquanto ficou como opção no banco.

– Conquistei o carinho da torcida durante 2009 e 2010. É uma opção do treinador, mas aos poucos vou voltar a ser o Jorge que a equipe gosta – disse Jorge Henrique.

O atacante afirmou ainda que não quer se envolver em qualquer tipo de troca envolvendo jogadores do Internacional e que não ouvirá propostas de Fluminense e Cruzeiro. Pelo menos por enquanto...

– Não sou moeda de troca. Vou mostrar para quem quer me trocar que tenho condições de voltar à equipe. Meu empresário (Roberto Gomes) não sabe de nada – disse.


JORGE HENRIQUE NO CORINTHIANS:


2009

56 JOGOS
10 GOLS
0,17 MÉDIA DE GOLS
5 ASSISTÊNCIAS


2010

49 JOGOS
10 GOLS
0,20 MÉDIA DE GOLS
6 ASSISTÊNCIAS


2011

19 JOGOS
1 GOL
0,05 MÉDIA DE GOLS
2 ASSISTÊNCIAS


COM A PALAVRA:

Rodrigo Vessoni,  setorista do Corinthians

Final feliz? Os dois lados têm de ceder!

"A queda de produção de Jorge Henrique é nítida. Não há um único torcedor que não tenha percebido isso. Assim como não há ninguém que não reconheça sua importância nos últimos anos nem a dedicação à equipe, muitas vezes, jogando fora de posição, ajudando mais na marcação do que na criação.

É por essas duas visões, uma negativa e outra positiva, que as duas partes devem ceder para que o casamento que já está em seu terceiro ano tenha continuidade. O clube precisa reconhecer o passado, sim. Não pode ficar preso apenas ao que Jorge tem apresentado neste momento. Mas é preciso também que o jogador faça a parte dele. Como pagar tanto para um único atleta? O que os outros pensariam? É preciso ceder!"

Você comentarista: