Olympikus tem prioridade na renovação com o Flamengo

Caso empresa iguale a proposta de R$ 35 milhões da concorrente, Rubro-Negro terá de renovar com atual fornecedora

Bruno Braga
Eduardo Mendes
- 29/05/2012 - 07:03 Rio de Janeiro (RJ)

Treino do Flamengo - Patrícia Amorim (Foto: Paulo Sergio)

Embora a Adidas tenha feito uma proposta de R$ 350 milhões para suceder a Olympikus, a atual fornecedora tem a prioridade de renovação com o Flamengo. Caso ela iguale a proposta da concorrente, o Rubro-Negro terá de renovar. Em função disso, a presidente Patricia Amorim tem a obrigação de mostrar a proposta da Adidas à Olympikus para saber se a empresa tem interesse de continuar no clube e cobrir a oferta.

A proposta de R$ 35 milhões já havia sido recebida no dia 2 de maio pela presidente Patricia Amorim. Na tarde de segunda-feira, a mandatária se reuniu com Pedro Grendene, dono da Vulcabras/Azaleia, que gerencia a marca Olympikus, para comunicar sobre a investida. Foi a primeira vez que a Adidas apresentou uma oferta para um clube fora da Europa integrar o seu top cinco. O contato aconteceu por meio do presidente da Adidas na América Latina, Charlie Maurath, e o do vice, Daniel Toso.

O montante poderá superar os R$ 35 milhões, considerando que o valor é corrigido de acordo com o índice de inflação brasileiro a partir da aceitação do contrato pelo Flamengo. Desse total, R$ 27 milhões serão em dinheiro e os outros R$ 8 milhões revertidos em material esportivo. O Flamengo tem cem dias para responder.

BENEFÍCIOS COM A PARCERIA

Além disso, o Rubro-Negro seria contemplado com outros benefícios. O material esportivo do Flamengo seria vendido nas lojas próprias da Adidas, incluindo a loja eletrônica. O clube também teria direito a usar o centro de treinamentos da Adidas na Alemanha e o usufruir da tecnologia “miCoach” (plataforma de dispositivos e softwares com tecnologia que avalia o desempenho).

A Adidas ofereceu R$ 35 milhões por ano ao clube para suceder a Olympikus em 2015 como a fornecedora de material esportivo. A proposta é para substituir o Liverpool (ING) e colocar o Rubro-Negro como um dos cinco clubes classe A da empresa alemã, ao lado de Milan (ITA), Chelsea (ING), Real Madrid (ESP) e Bayern de Munique (ALE).

Atualmente, o Flamengo ganha da Olympikus R$ 18 milhões, sendo que R$ 8 milhões são em material esportivo e R$ 10 milhões em dinheiro – incluindo royalties dos produtos e uma verba destinada para ações de marketing.

ASSIS TENTOU REAPROXIMAR NIKE DO FLAMENGO

Empresário e irmão de Ronaldinho, Assis tentou fazer uma reaproximação do Flamengo com a Nike, empresa que forneceu material esportivo ao clube até 2008. A relação ficou estremecida ao fim do vínculo entre as partes.

A vinda da Nike para o RubroNegro beneficiaria Ronaldinho, que é patrocinado pela empresa, e ajudaria o clube a bancar o alto salário do jogador, atrasado em sua maior parte há cinco meses.

Na semana passada, Assis foi personagem de um episódio que deixou a relação entre Flamengo e Ronaldinho mais delicada. O irmão do jogador foi à loja Fla Concept e quis levar sem pagar produtos. A diretoria da Olympikus ficou irritada com a atitude.

Você comentarista: