12/08/2012 - 11:25

Rússia vira, impede o tri e a dobradinha do Brasil em Londres

Russos vencem a Seleção Brasileira masculina de vôlei, por 3 sets a 2, e não deixam a equipe nacional igualar feito da extinta União Soviética na Olimpíada

Felipe Mendes
Rio de Janeiro (RJ)

Rússia x Brasil - Vôlei masculino (Foto: Cléber Mendes)

O vôlei tinha tudo para ser verde e amarelo nos Jogos Olímpicos de Londres. Depois das mulheres do Brasil, que conquistaram o bicampeonato no sábado, ao vencerem os Estados Unidos, neste domingo os homens brasileiros desperdiçaram a oportunidade de subirem no ponto mais alto do pódio. Pela primeira vez, uma equipe masculina tinha chegado na final por três ocasiões seguidas. Mas a Seleção Brasileira perdeu para a Rússia, de virada, por 3 sets a 2, parciais de 19-25, 20-25, 29-27, 25-22 e 15-9 e não conquistou o tricampeonato, após a prata em Pequim-2008.

Murilo explica 'nó tático' russo e fala sobre futuro de Bernardinho

O ouro tinha vindo para o peito dos brasileiros em Barcelona-1992 e Atenas-2004. Com a derrota, o Brasil também não conseguiu igualar o feito da extinta União Soviética que, na Cidade do México-1968 e Moscou-1980, levou o ouro com os homens e com as mulheres. O Brasil ainda se tornou a primeira equipe a sofrer uma virada na final olímpica depois de estar vencendo por 2 sets a 0.

E MAIS:
> 'A derrota foi inexplicável', diz líbero Serginho após a final
> Site da CBV é raqueado pelo grupo Anonymous
> Prata amarga faz de Bernardinho maior medalhista do Brasil
> 'Olé' zomba com a prata brasileira no vôlei masculino em Londres

A derrota neste domingo marca o fim de uma geração que conquistou todos os títulos possíveis desde 2001, quando começou a chamada era Bernardinho. Com destaque para os três Mundiais (2002, 2006 e 2010), oito Ligas Mundiais (2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009 e 2010), destronando a Itália, e duas Copas do Mundo (2003 e 2007). Além, é claro, do ouro em Atenas.

BLOG SAQUE:
>
Russo tira coelho 'de ouro' da cartola

Giba, Serginho, Dante, Rodrigão e Ricardinho estavam em Atenas. O primeiro já avisou que Londres marca sua despedida da Seleção. O mesmo deve acontecer com Rodrigão e Ricardinho, que voltou a ser convocado após anos de ausência. Serginho ainda não decidiu seu futuro. O único que deve continuar é Dante.


Brasileiros atônitos com a medalha de prata (FOTO: Cléber Mendes)

O JOGO

Brasil e Rússia chegaram à decisão com a mesma campanha, seis vitórias e uma derrota. No caso dos russos, o revés foi justamente para os brasileiros, por 3 sets a 0. Neste domingo, os brasileiros começaram bem, aproveitando os contra-ataques. Do outro lado, a Rússia cometia muito erros. Depois de fazer 3 a 0, a Seleção abriu 5 a 1. Os russos ensaiaram uma reação, mas desperdiçavam muitos ataques. Os brasileiros aproveitaram e aumentaram a vantagem para 11 a 6.

Com o levantador Bruninho distribuindo bem o jogo, com boa velocidade, o Brasil atacava com extrema eficiência. Aliado a esse bom fundamento, os brasileiros defendiam quase todos os ataques russos e ainda usavam o bloqueio para amortecer as fortes pancadas dos gigantes russos. Com isso, fecharam a parcial em 25 a 19.

O segundo set começou equilibrado, com a Rússia saindo na frente, mas foi aí que apareceu outro bom fundamento brasileiro: o saque. Com ace de Dante, e dificultando a recepção dos russos, o Brasil tomou a dianteira ao virar para 8 a 4. Substituto do lesionado oposto Leandro Vissotto, o jovem Wallace fazia uma boa partida, tanto no ataque quanto no saque.

Preocupado, o técnico russo Vladimir Alekno realizava diversas alterações na sua equipe a fim de tentar mudar o rumo da partida. Em vão. Inspirado, Dante se agigantou no segundo set, com saques importantes e bons ataques. Do lado da Rússia, o oposto Maxim Mikhaylov estava longe das suas melhores atuações.

O Brasil administrava uma vantagem de quatro pontos, mas acabou permitindo uma reação russa ao desperdiçar ataques: 16 a 15. A Seleção, no entanto, só deixou que os rivais encostassem no placar. Com dois bloqueios, um de Murilo e outro de Lucão, o Brasil abriu nova vantagem e, com uma atuação impecável fechou a segunda parcial em 25 a 20.

No terceiro set, o equilíbrio permaneceu e, pela primeira vez, os russos foram para o primeiro tempo técnico na frente: 8 a 7. Mas o Brasil soube manter a tranquilidade e fez 13 a 10, aproveitando os contra-ataques diante dos problemas na recepção do adversário. A Rússia, no entanto, não se entregava e empatou em 15 a 15. Novamente, com calma, e ace de Lucão, a Seleção fez 18 a 15.

Mas os russos não desistiam e empataram em 22 a 22. Após pedido de tempo do técnico Bernardinho, o Brasil ficou na frente, teve dois match points, porém acabou desperdiçando. A Rússia aproveitou e venceu a parcial por 29 a 27. Foi nesta parcial que uma substituição feita por Alekno começou a mudar o rumo do jogo: a entrada do central Muserskiy para jogar de oposto.

No quarto set, Giba veio para a partida no lugar de Dante, que acabou se lesionando. E o equilíbrio, que se transformou na tônica do jogo, continuou. Mas, com dois excelentes saques do central Sidão, o Brasil fez 6 a 4. Em seguida, em erros brasileiros, a Rússia virou para 7 a 6. Em erro de Wallace, os russos faem 12 a 10. Porém, a Seleção não se desesperou e empatou em 12 a 12. Mas a Rússia, com confiança no saque, abriu 16 a 12.

Após a Rússia abrir 18 a 13, Bernardinho sacou o experiente Giba, que não entrou bem no jogo, e colocou Thiago Alves. Em seguida, Ricardinho e Rodrião entraram pela primeira vez na partida. Mostrando a equipe vencedora que é, a Seleção buscou uma reação, mas foi tarde demais. Os russos fecharam em 25 a 22.

No tie break, Dante voltou para o sacrifício e a disputa seguiu completamente acirrada. A Rússia saiu na frente com 2 a 0, o Brasil reagiu, mas os russos fizeram 6 a 3. Ao contrário do início da partida, a Seleção parou de virar os contra-ataques, enquanto o adversário passou a defender muito bem os ataques brasileiros. No tempo técnico, o placar marcava 8 a 4 para a Rússia.

Com um jogo muito mais intenso, sem muitos erros e ótima atuação de Muserskiy, os russos abriram 10 a 5. Com tranquilidade, a Rússia foi levando o set decisivo ponto a ponto até garantir a conquista e impedir o tricampeonato brasileiro.

FICHA TÉCNICA
RÚSSIA 3 X 2 BRASIL
19-25, 20-25, 29-27, 25-22 e 15-9

Local: Earls Court, em Londres (ING)
Data-Hora: 12/8/2012 - 9h (de Brasília)
Árbitro: Bela Hobor (HUN)

RÚSSIA: Grankin (4), Khtey (1), Mikhaylov (17), Muserskiy (31) e Tetyukhin (12). Líbero: Obmochaev. Entraram: Apalikov (6), Sokolov, Berezhko, Butko (2) e Ilinykh (2) - Técnico: Vladimir Alenko.

BRASIL: Bruninho (3), Murilo (18), Wallace (27), Lucão (9), Sidão (14) e Dante (5). Líbero: Serginho. Entraram: Giba, Thiago Alves, Rodrigão (1) e Ricardinho - Técnico: Bernardinho.

Você comentarista:

  • 51 comentários Comentar
  • 46 comentários

Pos País Critério L! Ouro Prata Bronze Total
1 Estados Unidos 225 46 29 29 104
2 China 190 38 27 22 87
3 Rússia 155 24 25 33 82
4 Reino Unido 140 29 17 19 65
5 Alemanha 85 11 19 14 44
6 França 67 11 11 12 34
7 Japão 66 7 14 17 38
8 Austrália 65 7 16 12 35
9 Coreia do Sul 62 13 8 7 28
10 Itália 53 8 9 11 28
11 Holanda 38 6 6 8 20
12 Hungria 37 8 4 5 17
13 Ucrânia 37 6 5 9 20
14 Espanha 33 3 10 4 17
15 Cazaquistão 28 7 1 5 13
16 Brasil 28 3 5 9 17
17 Cuba 27 5 3 6 14
18 Nova Zelândia 26 5 3 5 13
19 Irã 25 4 5 3 12
20 Canadá 25 1 5 12 18
21 Jamaica 24 4 4 4 12
22 Bielorrússia 24 3 5 5 13
23 República Tcheca 21 4 3 3 10
24 Quênia 19 2 4 5 11
25 Romênia 18 2 5 2 9
26 Dinamarca 17 2 4 3 9
27 Azerbaijão 16 2 2 6 10
27 Polônia 16 2 2 6 10
29 Coreia do Norte 14 4 0 2 6
30 África do Sul 14 3 2 1 6
31 Etiópia 14 3 1 3 7
32 Suécia 14 1 4 3 8
33 Croácia 13 3 1 2 6
34 Colômbia 13 1 3 4 8
35 Geórgia 12 1 3 3 7
35 México 12 1 3 3 7
37 Turquia 11 2 2 1 5
38 Suíça 10 2 2 0 4
39 Lituânia 10 2 1 2 5
40 Noruega 9 2 1 1 4
41 Irlanda 8 1 1 3 5
42 Índia 8 0 2 4 6
43 Argentina 7 1 1 2 4
43 Eslovênia 7 1 1 2 4
43 Sérvia 7 1 1 2 4
46 Mongólia 7 0 2 3 5
47 Tunísia 6 1 1 1 3
48 Trinidad e Tobago 6 1 0 3 4
48 Uzbequistão 6 1 0 3 4
50 República Dominicana 5 1 1 0 2
51 Tailândia 5 0 2 1 3
52 Eslováquia 5 0 1 3 4
53 Letônia 4 1 0 1 2
54 Egito 4 0 2 0 2
55 Armênia 4 0 1 2 3
55 Bélgica 4 0 1 2 3
55 Finlândia 4 0 1 2 3
58 Argélia 3 1 0 0 1
58 Bahamas 3 1 0 0 1
58 Granada 3 1 0 0 1
58 Uganda 3 1 0 0 1
58 Venezuela 3 1 0 0 1
63 Bulgária 3 0 1 1 2
63 Estônia 3 0 1 1 2
63 Indonésia 3 0 1 1 2
63 Malásia 3 0 1 1 2
63 Porto Rico 3 0 1 1 2
63 Taiwan 3 0 1 1 2
69 Botsuana 2 0 1 0 1
69 Chipre 2 0 1 0 1
69 Gabão 2 0 1 0 1
69 Guatemala 2 0 1 0 1
69 Montenegro 2 0 1 0 1
69 Portugal 2 0 1 0 1
75 Cingapura 2 0 0 2 2
75 Grécia 2 0 0 2 2
75 Moldova 2 0 0 2 2
75 Qatar 2 0 0 2 2
79 Afeganistão 1 0 0 1 1
79 Arábia Saudita 1 0 0 1 1
79 Bahrein 1 0 0 1 1
79 Hong Kong 1 0 0 1 1
79 Kuwait 1 0 0 1 1
79 Marrocos 1 0 0 1 1
79 Tadjiquistão 1 0 0 1 1
86 Albânia 0 0 0 0 0
86 Andorra 0 0 0 0 0
86 Angola 0 0 0 0 0
86 Antígua e Barbuda 0 0 0 0 0
86 Aruba 0 0 0 0 0
86 Áustria 0 0 0 0 0
86 Bangladesh 0 0 0 0 0
86 Barbados 0 0 0 0 0
86 Belize 0 0 0 0 0
86 Benin 0 0 0 0 0
86 Bermudas 0 0 0 0 0
86 Bolívia 0 0 0 0 0
86 Bósnia e Herzegovina 0 0 0 0 0
86 Brunei 0 0 0 0 0
86 Burkina Faso 0 0 0 0 0
86 Burundi 0 0 0 0 0
86 Butão 0 0 0 0 0
86 Cabo Verde 0 0 0 0 0
86 Camarões 0 0 0 0 0
86 Camboja 0 0 0 0 0
86 Chade 0 0 0 0 0
86 Chile 0 0 0 0 0
86 Comores 0 0 0 0 0
86 Congo 0 0 0 0 0
86 Costa do Marfim 0 0 0 0 0
86 Costa Rica 0 0 0 0 0
86 Djibuti 0 0 0 0 0
86 Dominica 0 0 0 0 0
86 El Salvador 0 0 0 0 0
86 Emirados Árabes Unidos 0 0 0 0 0
86 Equador 0 0 0 0 0
86 Eritreia 0 0 0 0 0
86 Fiji 0 0 0 0 0
86 Filipinas 0 0 0 0 0
86 Gâmbia 0 0 0 0 0
86 Gana 0 0 0 0 0
86 Guam 0 0 0 0 0
86 Guiana 0 0 0 0 0
86 Guiné 0 0 0 0 0
86 Guiné Equatorial 0 0 0 0 0
86 Guiné-Bissau 0 0 0 0 0
86 Haiti 0 0 0 0 0
86 Honduras 0 0 0 0 0
86 Iêmen 0 0 0 0 0
86 Ilhas Cayman 0 0 0 0 0
86 Ilhas Cook 0 0 0 0 0
86 Ilhas Marshall 0 0 0 0 0
86 Ilhas Salomão 0 0 0 0 0
86 Ilhas Virgens Americanas 0 0 0 0 0
86 Ilhas Virgens Britânicas 0 0 0 0 0
86 Iraque 0 0 0 0 0
86 Islândia 0 0 0 0 0
86 Israel 0 0 0 0 0
86 Jordânia 0 0 0 0 0
86 Kiribati 0 0 0 0 0
86 Laos 0 0 0 0 0
86 Lesoto 0 0 0 0 0
86 Líbano 0 0 0 0 0
86 Libéria 0 0 0 0 0
86 Líbia 0 0 0 0 0
86 Liechtenstein 0 0 0 0 0
86 Luxemburgo 0 0 0 0 0
86 Macedônia 0 0 0 0 0
86 Madagascar 0 0 0 0 0
86 Malauí 0 0 0 0 0
86 Maldivas 0 0 0 0 0
86 Mali 0 0 0 0 0
86 Malta 0 0 0 0 0
86 Maurício 0 0 0 0 0
86 Mauritânia 0 0 0 0 0
86 Mianmar 0 0 0 0 0
86 Micronésia 0 0 0 0 0
86 Moçambique 0 0 0 0 0
86 Mónaco 0 0 0 0 0
86 Namíbia 0 0 0 0 0
86 Nauru 0 0 0 0 0
86 Nepal 0 0 0 0 0
86 Nicarágua 0 0 0 0 0
86 Níger 0 0 0 0 0
86 Nigéria 0 0 0 0 0
86 Omã 0 0 0 0 0
86 Palau 0 0 0 0 0
86 Palestina 0 0 0 0 0
86 Panamá 0 0 0 0 0
86 Papua-Nova Guiné 0 0 0 0 0
86 Paquistão 0 0 0 0 0
86 Paraguai 0 0 0 0 0
86 Peru 0 0 0 0 0
86 Quirguistão 0 0 0 0 0
86 RD Congo 0 0 0 0 0
86 República Centro-Africana 0 0 0 0 0
86 Ruanda 0 0 0 0 0
86 Samoa 0 0 0 0 0
86 Samoa Americana 0 0 0 0 0
86 San Marino 0 0 0 0 0
86 Santa Lúcia 0 0 0 0 0
86 São Cristóvão e Névis 0 0 0 0 0
86 São Tomé e Príncipe 0 0 0 0 0
86 São Vicente e Granadinas 0 0 0 0 0
86 Senegal 0 0 0 0 0
86 Serra Leoa 0 0 0 0 0
86 Seychelles 0 0 0 0 0
86 Síria 0 0 0 0 0
86 Somália 0 0 0 0 0
86 Sri Lanka 0 0 0 0 0
86 Suazilândia 0 0 0 0 0
86 Sudão 0 0 0 0 0
86 Suriname 0 0 0 0 0
86 Tanzânia 0 0 0 0 0
86 Timor-Leste 0 0 0 0 0
86 Togo 0 0 0 0 0
86 Tonga 0 0 0 0 0
86 Turcomenistão 0 0 0 0 0
86 Tuvalu 0 0 0 0 0
86 Uruguai 0 0 0 0 0
86 Vanuatu 0 0 0 0 0
86 Vietnã 0 0 0 0 0
86 Zâmbia 0 0 0 0 0
86 Zimbábue 0 0 0 0 0

Minuto

Ver todas