Victor: 253 jogos, um título e bons momentos pelo Grêmio

Goleiro teve titularidade questionada apenas em 2011; Saldo pelo clube, apesar da falta de grandes conquistas, é positivo

LANCEPRESS! - 30/06/2012 - 10:25 Porto Alegre (RS)

HOME Victor, goleiro do Grêmio (Foto: Lucas Uebel)

Anunciado na noite da última sexta-feira como reforço do Atlético-MG, o goleiro Victor deixa o Grêmio após quatro anos e seis meses, 253 jogos, o título do Campeonato Gaúcho de 2010 e dois prêmios de melhor goleiro do Campeonato Brasileiro (2008 e 2009). Se faltaram grandes conquistas, o agora ex-camisa 1 tricolor, deixa o clube com saldo positivo.

Após boas temporadas defendendo o Paulista, incluindo com o título da Copa do Brasil de 2005, Victor chegou ao Grêmio no fim de 2007 com a responsabilidade de assumir a titularidade, já que Gallato e Saja haviam deixado o clube. A sua contratação foi indicada por Vágner Mancini, então treinador do Grêmio, que havia trabalhado com o goleiro no Paulista. A desconfiança era grande.

GRANDE FASE

Victor ganhou a condição de titular ainda no início da temporada, superou uma lesão que o afastou durante um mês dos gramados, a saída precoce de Vágner Mancini e teve ótima desempenho no Campeonato Brasileiro, sendo um dos responsáveis pela boa campanha do Grêmio (segundo lugar), o que lhe rendeu o prêmio de melhor goleiro do campeonato.

Em 2009, Victor manteve as boas atuações, foi convocado para a Seleção Brasileira pela primeira vez (conquistando a Copa das Confederações) e foi novamente eleito o melhor goleiro do Campeonato Brasileiro. Em razão da grande fase que atravessava, chegou a receber propostas de clubes europeus, mas permaneceu no Olímpico.

Marcelo Grohe (esquerda) ameaçou a titularidade de Victor em 2011 e agora será o dono da camisa 1 tricolor (Foto: TRATO.TXT)


No ano seguinte, Victor conquistou o seu primeiro e único título com a camisa do Grêmio: o Campeonato Gaúcho. O Tricolor gaúcho chegou à semifinal da Copa do Brasil, mas parou no futuro campeão Santos. Já no Campeonato Brasileiro, após um primeiro turno sofrível, o Grêmio de Victor fez a melhor campanha no returno e se garantiu na Libertadores de 2011, sempre contando com as boas atuações do goleiro eleito o segundo melhor goleiro da competição.

CONTESTADO

Victor teve um ano de 2011 abaixo das expectativas. Após ver o seu Grêmio perder o Gauchão em pleno Olímpico para o Internacional, o goleiro não pôde evitar a eliminação logo nas oitavas de final da Libertadores. Convocado para defender a Seleção Brasileira Copa América como terceiro goleiro, ele não apresentou o rendimento de antes ao voltar ao Grêmio e, em razão das boas atuações de Marcelo Grohe durante o seu período com a Seleção, teve a sua condição de titular questionada.

Uma falha diante do Flamengo de Ronaldinho Gaúcho, agora seu companheiro de time, no Engenhão, quando tentou driblar o meia-atacante e acabou levando um gol, só fez as críticas aumentarem. Terminou a temporada como titular, mas sem o brilho de outrora.

A VOLTA DA BOA FASE

Victor atende a torcida do Grêmio durante a pré-temporada (Foto: TRATO.TXT)


Nos seus últimos seis meses de Grêmio, Victor teve um bom desempenho. Começou o ano como capitão da equipe até então comandada por Caio Júnior, mas perdeu tal condição com a chegada de Luxemburgo. O Grêmio não conquistou o Campeonato Gaúcho e acabou eliminado na semifinal da Copa do Brasil, mas o até então camisa 1 tricolor teve atuações seguras. Era a volta da boa fase.

Em seis jogos pelo Campeonato Brasileiro, foram apenas três gols sofridos, o que lhe garantiu ao lado de Giovanni, o seu agora companheiro de time no Atlético, e Fábio, do Cruzeiro, a condição de goleiro menos vazado da competição.

 

Você comentarista: