Finanças do Fla geram interpretações controversas

Direção afirma que gestão financeira é sucesso porque paga em dia e tem novas receitas, mas não mostra evolução da dívida

Marcelo Damato - 08/02/2012 - 10:39 Rio de Janeiro (RJ)

Patricia Amorim (Foto: Wagner Meier)

Nenhum assunto divide as correntes políticas do Flamengo como a situação financeira. A oposição, usando números do balanço de 2010, primeiro ano da gestão de Patricia Amorim, diz que a situação beira o descontrole. Ela proclama sucesso.

Há dois grandes mistérios. Um é o valor da dívida. O outro é como a dívida está sempre crescendo se todas as administrações dizem que são superavitárias. A resposta é: toda gestão diz que a anterior não incluiu certas dívidas no balanço.

- Nós entregamos uma dívida de R$ 350 milhões. Em 2010 ela cresceu R$ 100 milhões - diz José Carlos Dias, principal crítico das Finanças da atual gestão.

MAIS
> Diretoria do Fla omite papéis do balanço de 2010
> 'Afeganistão no Fla': entenda a crise política que o clube atravessa

> Flamengo possui seis instâncias de poder

INFOGRÁFICO
> Os exércitos do Flamengo

 No final de janeiro, o LANCENET! perguntou três vezes sobre o valor ao vice-presidente de Finanças, Michel Levy. Ele argumentou sobre problemas de cálculo, mas não exibiu um número. Ficou de passar depois, mas não o fez.

Levy apenas disse que o cálculo de Dias estava errado. Mas uma fonte do Conselho Fiscal disse que grosso modo o crescimento é esse. O dirigente, de todo modo, quer uma revisão no balanço de 2009.

- Pagamos muita dívida que nem estava lançada. Herdamos uma dívida maior do que estava no balanço. Precisa corrigir - diz.

- Isso é um desrespeito ao clube. Os balanços foram aprovados - diz Dias. Mas ele mesmo quer a revisão do balanço de 2003, o que melhoraria o resultado de seu período.

A briga não parece ter fim e as discordâncias se estendem a muitos outros pontos.

SEM EXPLICAÇÕES

O LANCENET! enviou 40 perguntas sobre 17 assuntos por e-mail ao vice de Finanças Michel Levy no domingo à tarde. Até as 21h da útltima terça-feira, apesar de sucessivas promessas em contrário, nenhuma resposta foi enviada à Redação.

Bate- Bola

Michel Levy e José Carlos Dias, vice e ex-vice de finanças

O vice de Finanças, Michel levy, e seu antecessor José Carlos Dias polarizam a discussão sobre as finanças. O LANCENET! conversou com Levy e Dias, que são desafetos declarados, separadamente.

1. Qual é a situação das finanças do Flamengo?

Michel Levy: Todos diziam que o Flamengo não era viável. Estamos mostrando que é. Todos os pagamentos estão em dia.

José Carlos Dias: Em 2010, o eles herdaram um clube bem melhor. Difícil era a situação que pegamos, em 2004, quando o clube não tinha talão de cheques.

2. Como está a dívida?

Dias: Fizemos um esforço enorme para controlar a dívida. Chegamos a ter a menor entre os quatro do Rio. Mas a dívida voltou a crescer e passou a do Vasco.

Levy: A dívida que eles disseram que deixaram não é real. Pagamos muita dívida que não estava contabilizada.

3. O que espera para o futuro?

Levy: A partir deste ano teremos mais dinheiro, vamos poder investir mais.

Dias: Temo que a dívida vai crescer muito. Se isso ocorrer, o serviço da dívida poderá voltar a ficar fora de controle, estragando o que fizemos na nossa gestão.

Você comentarista: