Flamengo tem equipe de natação em reconstrução

Após desfazer time no fim de 2012, Rubro-Negro disputa o Troféu Maria Lenk só com juvenis e não defende o título do ano passado

Felipe Mendes - 26/04/2013 - 12:29 Rio de Janeiro (RJ)

Luiz Altamir (Foto: Satiro Sodré/SSPress)

Atual campeão do Troféu Maria Lenk, o Flamengo ficou impossibilitado de defender o título diante do fim da equipe adulta de natação em dezembro de 2012. Com um grupo composto apenas por nadadores das categorias de base, o maior vencedor da competição ao lado do Pinheiros, com 13 conquistas, aposta em jovens valores num trabalho de reconstrução iniciado pela nova diretoria.

– Não temos condições de defender o título pois estamos montando projetos e reestruturando a natação – disse o técnico Marco Veiga, que segue no clube após a dissolução da equipe adulta de natação.

Em 2012, o Flamengo encerrou um jejum de dez anos ao sagrar-se campeão do Maria Lenk. Na ocasião, contou com um time de 60 nadadores, sendo 31 homens e 29 mulheres. Entre eles estavam Cesar Cielo, Leonardo de Deus, Tales Cerdeira e Joanna Maranhão.

Mas todos eles foram obrigados a buscar outros clubes após a nova diretoria do Flamengo decidir acabar com a equipe adulta por conta da falta de verba para mantê-los.

Na atual edição, o Rubro-Negro conta com apenas nove nadadores, sendo dois homens e sete mulheres. Sem marcar presença nos revezamentos, o maior destaque da delegação é Luiz Altamir Melo, de 15 anos. Ele é o único do Flamengo com índices para o Mundial Júnior de Dubai (EAU), em agosto: 200m livre, 400m livre e 200m borboleta.

Contratado no início de 2012, o jovem nadador passou incólume ao corte. Do clube, recebe apoio com moradia, estudo, alimentação e ajuda financeira. Embora tenha esse suporte, ele lamenta não ter atletas mais experientes nos treinos.

Na quinta-feira, o Flamengo terminou o antepenúltimo dia do Maria Lenk na 15º posição na classificação geral.


COM A PALAVRA:

Cesar Cielo
Nadador e atleta do Flamengo entre 2010 e 2012

É difícil falar num contexto geral. A minha relação com o clube foi bem tranquila. Até brinco com eles que se forem montar uma equipe em 2015, para não esquecerem de mim. Mas é negócio, mais do que amor pelo escudo do Flamengo. A diretoria abriu o jogo logo que assumiu, então não levo nenhum sentimento ruim. É uma pena porque o clube é o maior vencedor do Troféu Brasil. Ano passado, tínhamos torcida organizada aqui. Então, com essa arquibancada fantasma, faz falta aqui.

O clube não me deve nada, fizemos um acordo no fim de 2012.

 

BATE-BOLA:

Marcelo Vido
Diretor executivo de esportes olímpicos do Flamengo

Atual campeão do Maria Lenk, o Flamengo não tem como defender o título este ano. Como estão os projetos do clube para a natação?
Estamos disputando a competição com uma equipe jovem pois estamos apostando na base. Nossos atletas estão buscando os índices para o Mundial Júnior de Dubai e o Luiz Altamir está com três. Então, estamos dentro do planejamento traçado quando assumimos.

E o que o clube planeja para os próximos meses? Agora com as certidões negativas é possível fazer projetos via Lei de Incentivo ao Esporte.
Desde fevereiro, estamos elaborando projetos pois já tínhamos sido informados que as certidões seriam obtidas. Não é só para os esportes aquáticos, mas para todas as modalidades do Flamengo.

No que consiste estes projetos?
Estamos elaborando. Um clube pode apresentar um máximo de seis ao Ministério do Esporte. Também buscamos parcerias na iniciativa privada. Queremos reformar o parque aquático da Gávea.

Você comentarista: