Ex-presidente do Fla é condenado a devolver R$ 18,7 milhões ao clube

Edmundo dos Santos Silva presidiu o Rubro-Negro entre os anos de 1999 e 2001. Advogado do ex-dirigente afirma que subirá o processo ao STJ. Clube se diz tranquilo

David Nascimento e Pedro Leanza - 07/08/2013 - 17:50 Rio de Janeiro (RJ)

Edmundo Santos Silva (Foto: Julio Cesar Guimaraes/ LANCE!Press)

Presidente do Flamengo entre os anos de 1999 e 2001, Edmundo dos Santos Silva foi condenado a devolver R$ 18,7 milhões ao clube. A decisão foi dada pelo desembargador Sidney Hartung, da Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJD-RJ) no dia 31 de julho e publicada no Diário Oficial na última terça-feira. Além desse valor, R$ 500 mil deverão ser pagos a título de honorários.

Edmundo dos Santos Silva é réu na ação impetrada pelo Flamengo, acusado de não prestar contas de gastos de diversos tipos no período em que esteve à frente do clube. O processo corre desde 2005 e em 2011 a primeira decisão também foi à favor do Rubro-Negro. Em contato com o LANCE!Net, Geraldo Magela de Oliveira, advogado do ex-dirigente, afirmou que irá recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) por instabilidade na decisão.

E MAIS!
> Atritos internos influenciaram em saída de Godinho
> Especialista analisa lesão de Marcelo Moreno
> Aval de Elias foi decisivo para escolha de Chicão pelo Flamengo

- A última sentença publicada terá que ser anulada, já que basearam a decisão em uma perícia que não foi realizada corretamente - disse o advogado.

Já o vice-presidente jurídico do Flamengo, Flávio Willeman, afirmou que o clube está tranquilo quanto a este processo, já que a decisão foi favorável ao Rubro-Negro nesta segunda instância. O dirigente ainda acredita que o caso não irá subir ao STJ.

- O processo foi julgado em segunda instância e o Flamengo ganhou de novo. É muito difícil que um novo recurso suba para o Superior Tribunal de Justiça. A Súmula 7 do STJ proíbe que um recurso seja julgado se o que é discutido são fatos e provas. O recurso só pode ser julgado pelo STJ se for por direito, o que não é o caso - afirmou.

Você comentarista: