Dorival admite que juventude do time tem pesado no Campeonato Brasileiro

Treinador avalia que defalques de González, Cáceres e Renato, o pouco tempo para trabalhar e a baixa média de idade são os principais problemas

LANCEPRESS! - 13/09/2012 - 08:07 Rio de Janeiro (RJ)

Dorival Júnior - Santos x Flamengo (Foto: Tom Dib)

A quarta derrota seguida deixou o Flamengo à beira da zona de rebaixamento. Abatido após a derrota de 2 a 0 para o Santos, na noite de quarta-feira, na Vila Belmiro, explica as razões pelas quais o Rubro-Negro tem sofrido no Campeonato Brasileiro e cada vez mais se aproxima da degola: desfalques, tempo escasso e o excesso de jovens num campeonato competitivo.

- É um grupo jovem e vem sofrendo uma transição. Isso tem pesado. Foi feito uma opção pela renovação. Temos que entender e valorizar. É uma equipe jovem. Estamos pagando o peso de uma competição grande. É natural que estejamos em uma situação desconfortável. É um sentimento maior. Demora a ter equilíbrio - explicou Dorival Júnior, que avaliou a atuação de Mattheus e Adryan:

- O Mattheus foi crescendo ao longo da partida. O Adryan foi bem dentro de uma condição. Temos a crescer. Temos que melhorar e dar mais assistência ao Vagner. Precisamos de mais tempo para treinar. É uma equipe em transição. Temos a necessidade de mudança. Tivemos a perda consideráveis de jogadores para a seleção (Marcos González e Cáceres). E a saída do Renato tem pesado. E o pouco tempo não colabora para que encontremos o melhor momento - disse Dorival.

Fla perde mais uma e fica a quatro pontos da zona da degola

Dorival Júnior vem pedindo reforços desde que chegou ao Flamengo, mas por enquanto a diretoria não tem conseguido trazer opções para o elenco. O treinador explica que a carência de opções tem prejudicado.

- Eu já esperava uma condição como essa. Já conhecia o elenco. Falei com a diretoria que se quisessem uma transformação imediata, eu não seria o nome. Falei sobre a dificuldade que teríamos, que precisaríamos de elementos. Estamos trabalhando. É natural que haja um incômodo grande. Temos de nos atentar a isso - encerrou.

Você comentarista: