Corinthians busca patrocínio para festival de música

Das seis cotas criadas para o "Canto por ti Corinthians", lançado na semana passada, apenas as duas principais já foram vendidas

Camila Mattoso - 09/08/2013 - 08:45 São Paulo (SP)

Festival Corinthians (Foto:Rodrigo Coca/ Agência Corinthians)

Com todas as datas marcadas e inscrições abertas, o festival de música do Corinthians ainda busca parceiros para financiarem o projeto. O clube criou seis cotas para o "Canto por ti Corinthians", a ouro, a prata e quatro bronzes. Delas, até agora, apenas as duas primeiras foram vendidas. Os patrocinadores já são de casa: Todo Poderoso Timão e Fiel Torcedor. 

Com os apoiadores, o Corinthians vai arrecadar um total de R$ 500 mil. R$ 200 mil custa a propriedade mais cara que está sendo comercializada pela diretoria alvinegra. A prata tem o valor de R$ 100 mil e as outras quatro estão sendos vendidas por R$ 50 mil.

Se o orçamento fechar e o Corinthians conseguir alguma receita em cima do projeto, tudo irá para o departamento de cultura, de acordo com o diretor financeiro, Raul Corrêa da Silva.

- O que a gente já tem paga quase tudo. Qualquer coisa que vier de lucro vamos direcionar para a preservação da memória do Corinthians, com projetos que tenham esse objetivo. - explicou Corrêa.

- A prioridade do projeto não é arrecadar. Queremos resgatar a tradição dos festivais de música. A gente vai poder resgatar histórias do Corinthians e repassar valores para outras gerações. Além de ocupar o tempo de vários jovens que vão se dedicar a isso. - completou.

E MAIS:

Caixa estuda possibilidade de lançar loteria na Copa do Mundo
Palmeiras irá inaugurar loja em Campinas nesta sexta-feira
Ponte Preta e Pulse revelam detalhe da nova camisa

Para quem se inscrever ainda em agosto, não há custos. Em setembro, o clube vai cobrar um valor de R$ 15 por música. Além desse dinheiro, fora os patrocínios, haverá a arrecadação com a bilheteria do auditório do Parque São Jorge nos dias das semifinais e final, que devem ter ingressos com preços simbólicos, segundo o diretor financeiro do Corinthians. 

A organização espera ter mais de 5 mil letras inscritas - até agora, desde o dia primeiro de agosto, cerca de 100 canções foram enviadas. Durante o mês de outubro, as músicas serão julgadas e haverá uma seleção das 24 melhores, que irão às semifinais, em novembro. Para a final, também em novembro, no dia 23, 12 estarão concorrendo ao primeiro lugar. 

Não há distinção para o gênero musical. "O que vai valer é se é MB ou MR, que é música boa ou música ruim", brincou Raul Corrêa da Silva. Outra regra, inclusive, é que não precisa ser corintiano para enviar a canção - mas só valem obras inéditas. 

- Uma das frases mais bonitas que eu já ouvi sobre o Corinthians foi feita por um são-paulino, o Carlinhos Vergueiro, na música Nação Corinthians, que diz: "Briga, sacode a poeira, levanta a bandeira tribo soberana. Mais que brasileira és corintiana. Tu és a mais bonita das nações". - disse o diretor financeiro. 

O vencedor receberá R$ 10 mil e o troféu Adoniram Barbosa, o homenageado desta primeira edição. O segundo e o terceiro colocados, além do melhor intérprete e o melhor do público, serão contemplados com prêmios em dinheiro. Um dos projetos a ser realizado com a receita é a produção de um CD e um DVD com as 24 selecionadas para as últimas fases.

5 anos até virar realidade

O projeto, que é inédito entre times de futebol, demorou 5 anos para sair do papel desde quando foi idealizado. Foi o próprio atual diretor financeiro quem teve a ideia. 

- O projeto surgiu de uma conversa com a minha filha. Eu tenho a mania de sempre colocar "Corinthians" nas músicas que estou cantando e ela disse que, quando era criança, achava que o nosso clube era muito maior do que era, pois achava que ele estava em todas as músicas. E eu pensei que o Corinthians é tão grande que poderia ter um festival - contou.

Toda a parte técnica do evento está sob a coordenação de Juca Novaes. Cantor, compositor e instrumentista, ele foi responsável pela criação do festival de música de Avaré, que revelou artistas como Zeca Baleiro, Lenine e Chico César.

Você comentarista: