Gastos públicos com os estádios da Copa já passam de R$ 8,5 bilhões

Aumento do custo das obras das arenas teve um salto de 43% desde a previsão inicial. Maior parte é do investimento público, através do financiamento junto ao BNDES

Camila Mattoso, Igor Siqueira e Rodrigo Lois - 19/06/2013 - 13:45 Rio de Janeiro (RJ)

Protesto em frente ao Estádio Mané Garrincha (Foto: Michel Castellar)

O alto custo da construção dos 12 estádios a serem utilizados na Copa do Mundo de 2014 é um dos principais alvos de reclamação dos protestos que tomam conta do Brasil nos últimos dias. Também pudera: mais de R$ 8,5 bilhões deverão ser gastos apenas nas obras das arenas. E todo esse dinheiro vem através do investimento público.

A previsão inicial do gastos com o erguimento/reforma de todos os 12 estádios juntos era de aproximadamente R$ 5,1 bilhões. Só que, no momento, já que há seis ainda a serem concluídos, o valor já saltou para cerca de R$ 7,3 bilhões - um aumento de 43%. Além disso, há de se levar em conta os outros milhões que precisarão ser pagos em prestações aos consórcios, pela utilização de alguns dos palcos, como a Fonte Nova. Esse montante também entra na conta ao final.

GALERIA DE FOTOS
-
Manifestantes se organizam para protesto em Fortaleza

MAIS
- Gastos para a Copa do Mundo de 2014 aumentam em R$ 2,5 bilhões
- 'A arquibancada é a rua!': Futebol potencializa protestos pelo Brasil
- Mídia internacional relaciona protestos no Brasil com gastos para a Copa
- Segundo Blatter, manifestantes se aproveitam da Copa das Confederações
- Del Nero: 'Tem 199 milhões trabalhando e esses querendo atrapalhar'
- Ministro afirma que governo não vai tolerar que manifestações prejudiquem a Copa
- David Luiz: 'Somos a favor da manifestação pacífica, só assim podemos ter um país melhor'
- Hulk, sobre os protestos: 'Tem sentido o que eles falam, tem de ouvir'
- Manifestação em BH reúne mais pessoas que jogo entre Nigéria e Taiti
- Após protestos pelo país, jogadores da Seleção se manifestam na internet

A maior parte do investimento público ocorre através do financiamento do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), acima dos R$ 3,6 bilhões.  Além disso são mais de R$ 3,3 bilhões de outros bancos, como a Caixa Econômica Federal, e as prestações citadas acima. Os governos estaduais entram com pouco mais de R$ 1,1 bilhão e as prefeituras com R$ 466 milhões. A contribuição do setor privado para as construções foi bem menor: em torno de R$ 329,4 milhões. Algo distante da Copa "100% privada" criada pelo ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

LEIA TAMBÉM
- Com receio de caos, Salvador decreta feriado em dias de partidas
- Correria e bombas causam confusão no protesto próximo ao Castelão
- Bloqueio e protestos causam transtornos na chegada ao Castelão
- Criança se perde dos pais e desmaia durante briga em Fortaleza
- Manifesto em Fortaleza tem confusão por causa da política
- Ex-atacante Ronaldo é xingado em protesto no Ceará: 'Babaca'

De acordo com as últimas informações do Ministério do Esporte, os gastos com a Copa do Mundo (inclunido aí estádios, mobilidade urbana, aeroportos etc) passaram de cerca de R$ 28 milhões. Para comparação: conforme publicado em abril no Diário Oficial, o Orçamento da União para 2013 prevê o destino de R$ 99,8 bilhões para o Ministério da Saúde e outros R$ 81,1 bilhões para a Educação.

Transparência vira confusão

Uma das principais promessas do governo federal quando se confirmou o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 foi de que os gastos públicos teriam total transparência e de que a população poderia, inclusive, acompanhar os relatórios em tempo real. No entanto, as atualizações não têm sido frequentes e as fontes são confusas e muitas vezes contraditórias. É o que ressalta o fundador e secretário geral da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco.

– Existe uma enorme quantidade de portais dos estados e da União, mas muitas vezes estão com informações conflitantes e contraditórias. A maioria deles está desatualizada – explicou.

Mané Garrincha no top 5 mais caros

O Mané Garrincha, em Brasília, é o estádio mais caro entre os construídos para a Copa-2014 e um dos mais caros na história das Copas do Mundo. Um estudo da ONG Play the Game mede o custo dos empreendimentos em preço por assento. A arena brasileira, com valor final estimado em R$ 1,2 bilhão, custaria, portanto, aproximadamente R$ 16,8 mil/assento.

O Sapporo Dome, no Japão, lidera o ranking, com custo de R$ 21,8 mil/assento. O Cape Town Stadium, na África do Sul, é o segundo, com R$ 21,2  mil/assento. O terceiro é o Nissan Stadium, também no Japão, com R$ 18,7 mil/assento, seguido pelo Mané Garrincha.

Os dois estádios japoneses são lucrativos, e, além de jogos de futebol, chegam a receber mais de 70 partidas de beisebol em uma só temporada. Já a arena sul-africana é problemática: média de 4 mil pessoas, em um estádio com capacidade para 55 mil, e prejuízos anuais acima de R$ 10 milhões. Com média de público inferior a mil pagantes no Estadual, o Mané Garrincha requer alternativas para não ter destino igual. Como, por exemplo, receber jogos de times de outros estados.

 

OS GASTOS COM OS ESTÁDIOS DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES E DA COPA DO MUNDO

BELO HORIZONTE - MINEIRÃO

Orçado inicialmente em R$ 426 milhões, o Mineirão pronto custou R$ 695 milhões. O consórcio responsável pela obra foi o Minas Arena (Construcap, Egesa, Hap Engenharia). O governo de Minas Gerais investiu R$ 40,5 milhões nas obras do estádio. Já o próprio consórcio entrou com mais R$ 254,5 milhões e por fim o BNDES investiu os outros R$ 400 milhões.

 

BRASÍLIA - MANÉ GARRINCHA

A construção do Estádio Nacional foi a mais cara, com valor final de R$ 1,2 bilhão. A previsão inicial era bem menor: R$ 696 milhões. O consórcio responsável pela obra era formado pela Andrade Gutierrez e a Via Engenharia. O investimento foi 100% público, financiado pela Terracap, agência imobiliária pública do Distrito Federal e da União.

 

CUIABÁ - ARENA PANTANAL

O estádio não está pronto e só deverá ser entregue em dezembro próximo. Até agora, o valor provisório da obra é de R$ 518,9 milhões, algo bem acima dos R$ 342 milhões propostos inicialmente.  A construção é tocada pela Mendes Júnior (a Santa Bárbara saiu do consórcio). O BNDES investirá R$ 285 milhões e o governo estadual, mais R$ 233,9 milhões.

 

CURITIBA - ARENA DA BAIXADA

A reforma da casa do Atlético-PR saltou dos iniciais R$ 135 milhões para os atuais R$ 234 milhões. A empresa gerenciadora da construção é a Engevix. São investidos R$ 123 milhões via financiamento do BNDES, mais R$ 46 milhões da Prefeitura de Curitiba e outros R$ 18,4 milhões pelo Furacão. Antes para junho, a previsão de entrega do estádio está para dezembro. 

 

FORTALEZA - CASTELÃO

O estádio  foi erguido pelo consórcio Galvão Engenharia e Andrade Mendonça Construtora. A obra caiu de custo: no início, o custo esperado era de R$ 623 milhões, mas no fim foi de R$ 518,6 milhões. O investimento foi de R$ 351,5 milhões do BNDES, mais R$ 194,4 milhões do governo cearense. O estado terá de pagar prestações mensais de R$ 407 mil por oito anos. 

 

MANAUS - ARENA AMAZÔNIA

O estádio para Amazonas tem como construtora a Andrade Gutierrez e a previsão de entrega também é para dezembro próximo. O valor inicial da obra era de R$ 515 milhões, mas subiu para R$ 550,7 milhões. O BNDES entrará com R$ 400 milhões, e a Caixa Econômica Federal, com mais R$ 110 milhões. Além disto, o governo estadual gastará outros R$ 40,7 milhões. 

 

NATAL - ARENA DAS DUNAS

O estádio foi orçado no início em R$ 350 milhões, mas o valor final da obra deve ser de R$ 417 milhões. A responsável pela construção é a OAS. Da parte pública, o BNDES investirá R$ 395 milhões, e o governo estadual mais R$ 17 milhões. O consórcio arcará com outros R$ 3,5 milhões. A previsão de entrega da arena, assim como as demais, é para dezembro. 

 

PORTO ALEGRE - BEIRA-RIO

O Internacional não terá custos com a obra do estádio: R$ 277 milhões virão do financiamento do BNDES, e a Andrade Gutierrez entrará com mais R$ 53 milhões. Aliás, esta é a empresa responsável pela reforma do Beira-Rio, estimada inicialmente em R$ 130 milhões, mas hoje projetada para R$ 330 milhões. A entrega para a utilização também está marcada para dezembro. 

 

RECIFE - ARENA PERNAMBUCO

O estádio em Recife foi erguido pela Odebrecht. A construção da arena saiu por um valor abaixo do estimado: de R$ 529,5 milhões foi para R$ 502,2 milhões. O BNDES entrou na jogada com um investimento de R$ 276,7 milhões, enquanto que o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) contribuiu com mais R$ 217,9 milhões para essa empreitada. 

 

RIO DE JANEIRO - MARACANÃ

Palco da final da Copa do Mundo de 2014, o Maracanã custou aos cofres públicos R$ 882,9 milhões (apenas o estádio). O valor inicial estava estipulado em R$ 600 milhões. O consórcio responsável pela reforma foi formado por Odebrecht, IMX e OAS. O financiamento do BNDES foi de R$ 400 milhões, enquanto que o governo estadual entrou com mais R$ 482,9 milhões. 

 

SALVADOR - ARENA FONTE NOVA

O novo estádio custou R$ 689,4 milhões, sendo que o valor inicial para a obra era de R$ 591,7 milhões. O consórcio foi formado por OAS e Odebrecht. O BNDES foi responsável por R$ 323,6 milhões, o BNB por R$ 241,9 milhões e o governo da Bahia pelos outros R$ 123,9 milhões. Como contrapartida ao consórcio, o governo terá de arcar com R$ 103 milhões anuais durante 15 anos. 

 

SÃO PAULO - ARENA CORINTHIANS

Único estádio com previsão de entrega para janeiro do ano que vem, a Arena Corinthians deverá custar R$ 820 milhões (até o momento, valor igual ao do orçamento inicial). A empreiteira responsável pela obra é a Odebrecht. O investimento público acontecerá da seguinte maneira: o BNDES entrará com R$ 400 milhões e a Prefeitura de São Paulo (via CIDS), com R$ 420 milhões.

Você comentarista: