Copa: governo gastará mais de R$ 1 bi com segurança

Anúncio foi feito nesta terça em evento do Ministério da Justiça

Igor Siqueira - 03/07/2012 - 17:28 Rio de Janeiro (RJ)

Valdinho Jacinto Caetano (Foto: Igor Siqueira)

O governo federal vai destinar R$ 1,17 bilhão para a segurança das 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, segundo relatório apresentado nesta terça-feira pelo Ministério da Justiça aos secretários de Segurança de nove dos 12 estados que receberão partidas do Mundial.

O orçamento e outras estratégias para o evento foram apresentados durante reunião, que aconteceu em um hotel da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e contou com a participação do secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, Valdinho Jacinto Caetano. Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Norte não enviaram representantes.

- Esse plano prevê as premissas básicas para o plano operacional local. Forma de trabalhar, equipamentos que vamos adquirir, além da sinergia entre órgãos de segurança de todas as esferas, que é o principal legado - disse Caetano.

Os detalhes do planejamento estratégico não foram revelados, porque a secretaria entende que prejudicaria o serviço durante a Copa. No entanto, o secretário adiantou que serão instalados centros de comando e controle em todas as cidades-sede. Sendo assim, câmeras precisarão ser compradas por cada estado, com quem os centros ficarão após a Copa.

- Isso nos permitirá receber informações de toda área de interesse. Quando tivermos um jogo no Maracanã, teremos imagens do estádio e do entorno, trazendo informações ainda dos agentes de segurança para a tomada de decisões. Havendo qualquer tipo de incidente, vamos determinar qual órgão vai atuar - informou Caetano, revelando ainda a implantação de delegacias móveis e a compra de kits antibomba.

No caso das cidades que estarão na Copa das Confederações, a ideia do governo é que os centros de controle já sejam colocados em ação em 2013.

- Estamos finalizando a documentação para a compra de diversos equipamentos e devemos ir para o mercado em um mês. As licitações serão lançadas ainda neste ano - ressaltou o secretário.

Os centros de controle terão duas bases centrais. Um em Brasília, outra no Rio de Janeiro. A escolha da Cidade Maravilhosa é por já existir um centro de operações semelhante ao que o governo federal pretende implantar e por conta da Olimpíada de 2016.

Você comentarista: